Uma ação estatal contra uma congregação batista no centro da cidade de Lipetsk (a aproximadamente 400 km de Moscou, na Rússia) fez com que a igreja perdesse seu status legal.

“Não acontece algo como isso em Lipetsk há 20 anos”, Vladimir Boyev, pastor da congregação, exclama. “Estão tomando tudo que temos!”

Os métodos do Estado podem não ser os mesmos do período soviético, quando os cristãos podiam acabar presos, o pastor Vladimir admitiu. “Mas encontraram um jeito diferente – por meio da burocracia – de pôr nossa igreja em uma situação terrível”, ele indicou. “Estamos indefesos!”

Atualmente, a Primeira Igreja Batista de Lipetsk, formada por 200 membros, se reúne no prédio de uma antiga igreja ortodoxa, que lhe foi alugado pela prefeitura em 1989.

Em junho de 2007, autoridades fiscais cancelaram o cadastro de pessoa jurídica da igreja batista, alegando que ela não havia feito sua declaração de imposto de renda a tempo.

Segundo o Artigo 21.1 da Lei de Registro Estatal de Pessoa Jurídica e Autônomos, de 2001, o cadastro de pessoa jurídica pode ser cancelado se a organização não declarar seu imposto ou não movimentar sua conta bancária no período de um ano.

O pastor Vladimir insistiu em que sua igreja declarou seu imposto de renda, como sempre fez, e que nunca tiveram problema a esse respeito.

Há três meses, a diocese ortodoxa de Lipetsk e Yelets abriu um processo requerendo o prédio ocupado pela Primeira Igreja Batista. No entanto, por não ser mais uma pessoa jurídica, a igreja batista não consegue defender seus interesses neste caso.

“A situação está muito tensa agora”, Vladimir comentou. No dia 4 de novembro, quando é comemorado o Dia da Unidade Nacional, vândalos quebraram 28 janelas do prédio da igreja ortodoxa ocupado pela igreja batista.

O pastor Vladimir salientou que os batistas estão prontos a deixar o local, mas querem outro como compensação das melhorias que fizeram no edifício. Segundo o pastor, o que a prefeitura ofereceu são “semi-ruínas”. Quando o pastor objetou, disseram-lhe: “Peça ajuda aos norte-americanos!”.

Segundo Vladimir, sua igreja não tem doadores estrangeiros. “Somos russos como eles”, acrescentou.

Outras duas igrejas batistas na cidade tiveram problemas semelhantes a esse e também perderam o direito de se reunir nos locais que alugavam.