A Twentieth Century Fox brasileira, entusiasmada com a performance de Bezerra de Menezes: o Diário de um Espírito nas bilheterias, pretende investir de forma mais consistente na produção e distribuição de filmes de temática religiosa.

Encomendado aos diretores Glauber Filho e Joe Pimentel pela ONG Estação da Luz, a cinebiografia do médico kardecista cearense entrou no circuito em 29 de agosto e até segunda-feira da semana passada tinha sido conferido por cerca de 204 mil espectadores.

A Fox Brasil comprou os direitos de distribuição de Bezerra de Menezes em julho deste ano, quando a comunidade espírita do país já tinha se mobilizado em torno do filme protagonizado por Vereza. Logo no primeiro fim de semana em cartaz, o longa foi assistido por 51.389 pessoas, atingindo uma média de 1.200 espectadores por cópia. Tal desempenho fez amadurecer entre os executivos brasileiros a idéia e reproduzir por aqui a experiência americana com a Fox Faith, divisão voltada para o lançamento de filmes de orientação religiosa nos Estados Unidos.

– Como distribuidores, temos que acreditar que todo filme tem seu público. No caso específico de Bezerra de Menezes, já tínhamos evidências sobre o grande potencial de temas espíritas no Brasil e acreditamos que valia a pena investir em um filme direcionado para um nicho de mercado até então inexplorado – diz Patrícia Kamitsuji, diretora-presidente da Fox Film do Brasil.

Lançada no mercado há pouco mais de dois anos, a Fox Faith foi criada com o intuito de “abrigar e distribuir o crescente catálogo de produtos de conteúdo moral e familiar”, como informa o site do selo (www.foxfaith.com). Para ser produzido ou distribuído pela Fox Faith, o filme tem de “conter elementos cristãos ou ser originário do trabalho de um autor cristão”.

A iniciativa da Fox americana ampara-se na boa atuação na bilheteria, nos últimos anos, de produções que de alguma forma lidam com questões envolvendo fé, crenças e conduta cristã. Entre essas está o controverso Paixão de Cristo, uma interpretação mais realista do calvário de Jesus, dirigido por Mel Gibson, que faturou cerca de US$ 612 milhões ao redor do globo e que ganhou distribuição posterior em DVD (nos EUA) pela Fox Faith.

No Brasil, o número de títulos com temas religiosos ainda é incipiente, mas seu apelo pode ser medido pelo percurso de produções como Maria, mãe do filho de Deus (2003). O filme, dirigido por Moacyr Góes e com participação do padre Marcelo Rossi, atraiu cerca de 2,3 milhões de pagantes aos cinemas. Góes também dirigiu Irmãos de fé (2004), assistido por 912 mil espectadores, que conta a conversão de São Paulo de judeu em apóstolo.

– Depois de Paixão de Cristo e os filmes do Padre Marcelo ficou claro que há mercado para fitas religiosos no Brasil. Há grandes histórias em livros de várias religiões que merecem ser transformadas em filmes. Já estávamos procurando excelentes tramas como essas antes de Bezerra de Menezes e vamos continuar procurando – garante Patrícia.

Fonte: JB Online