Dylann Roof falou pouco em audiência com juiz feita por teleconferência. Fiança foi estipulada em US$ 1 milhão.

O americano que confessou ter assassinado a tiros nove pessoas que participavam de um grupo de estudo da bíblia foi indiciado nesta sexta-feira (19).

As lágrimas não têm cor. E as amigas fizeram questão de mostrar isso – bem na frente do cenário do massacre. Ashley diz que está desolada. Laura conta que o assassinato de nove negros dentro da igreja foi terrível, mas não pode separar as pessoas.

Dentro da prisão de Charleston, o suspeito dos crimes, participou via teleconferência de uma audiência com o juiz.

Sem mostrar emoção, Dylann Roof falou pouco. Confirmou o endereço e a idade: 21 anos. No tribunal, o juiz falou das nove acusações de assassinato contra Dylann e estipulou a fiança em US$ 1 milhão.

Parentes das vítimas, que não aparecem na imagem, mas que também estavam na corte, desabafaram para o atirador: “Recebemos você no nosso grupo de estudos da bíblia com os braços abertos. E você matou algumas das pessoas mais lindas que já conheci. Cada fibra do meu corpo dói”. – disse a mãe de Tywanza Sanders.

A filha de Ethel Lance declarou: “Nunca mais vou poder segurá-la nos braços, mas lhe perdoo”.

Segundo a rede de TV CNN, antes da audiência, Dylann confessou o crime às autoridades, e disse que queria iniciar uma guerra racial.

Na calçada da igreja, eram mais de 200 buquês de flores. Muitos trazem uma mensagem: “o amor não faz distinção de cor”; os nomes das nove vítimas; que elas não serão esquecidas. E um artista fez um quadro com uma mensagem de esperança cheia de simbolismo: a palmeira é um símbolo da região. Ele diz que com o massacre, ela entortou, mas não quebrou.

Num calor de quase 40 graus, voluntários distribuíam água para quem foi prestar homenagem. De repente, um grupo se juntou. E improvisou um show na calcada. Eram músicas contra o racismo, um pedido de união.

[b]Fonte: Site do Jornal Nacional[/b]