O ex-primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, revelou, em entrevista à rede britânica “BBC”, que “a fé em Deus lhe deu forças para o exercício de seu mandato político”.

“Não faz sentido negar. Tenho uma profunda fé. Não acho que seja algo mau, mas sim o contrário, pois dá força às pessoas”, explica, em entrevista que foi ao ar neste domingo.

“Se você não tem essa força, é difícil fazer o trabalho (de primeiro-ministro). É um trabalho no qual caráter e o temperamento contam mais do que tudo”, acrescenta Blair.

“Para mim, o fato de ter fé contribuiu em boa medida para que eu pudesse fazer esse trabalho”, disse o ex-líder trabalhista em um programa sobre seus anos de Governo.

No mesmo programa, um dos homens mais próximos de Tony Blair, o atual comissário de Comércio europeu, Peter Mandelson, diz que o britânico leva uma Bíblia consigo para todos os lugares, e que é a última coisa que lê antes de dormir.

Segundo Mandelson, onde quer que esteja em um domingo, Blair pede sempre a seus colaboradores que encontrem uma igreja para que possa assistir à missa.

Segundo o próprio Blair, se seu ex-porta-voz Alistair Campbell afirmou em certa ocasião que o Governo trabalhista não “trabalhava para Deus”, foi porque “no Reino Unido, o fato de que um político fale de religião só pode lhe trazer problemas”.

“Enquanto nos Estados Unidos e em alguns outros países é considerado normal que políticos falem com sinceridade sobre sua fé, se o mesmo é feito aqui, as pessoas pensarão que ele está louco”, diz o ex-primeiro-ministro.

Segundo Campbell, Blair pode não dar a impressão de ser um típico religioso porque “é muito irreverente (…) e quando vê uma mulher atraente, seus olhos vão atrás dela”.

No mesmo programa, o ex-líder do Partido Liberal-Democrata Menzies Campbell diz que se os eleitores britânicos tivessem conhecimento da influência da fé de Blair em seu trabalho político, talvez não lhe tivessem dado a maioria em três eleições consecutivas.

Fonte: EFE