A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados decidiu pedir ao Ministério Público federal que abra investigação para apurar eventual uso eleitoral do Exército no projeto Cimento Social, no Morro da Providência.

O pedido foi aprovado na quarta-feira, a partir de requerimentos do deputado Chico Alencar (PSol-RJ), pré-candidato na disputa pela prefeitura do Rio. O projeto Cimento Social foi criado pelo senador Marcelo Crivela (PRB-RJ).

Um relatório do Serviço de Inteligência do Exército já apontava para possíveis desvios de conduta da tropa que atuava no projeto Cimento Social desde o ano passado. O texto cita informações, captadas através de escutas, de que militares que participaram da ocupação do Morro da Providência teriam pedido dinheiro (“arrego”) a traficantes da comunidade para que não houvesse interferência na venda de drogas.

Segundo o documento, o chefe do tráfico na Providência, Fabio Passos de Oliveira, teria se refugiado no ano passado em favelas ligadas a sua facção criminosa, como Mangueira, Fallet e Parque União. Bandidos que permaneceram na comunidade então alertaram para a suposta cobrança dos militares. “É importante que os comandantes em todos os níveis atentem para possíveis desvios cometidos pelos militares durante a ocupação”, dizia o relatório.

O secretário municipal de Assistência Social, Marcelo Garcia, afirmou, no entanto, que a prefeitura não participou do projeto na Providência, por discordar do senador em pontos fundamentais da obra. Mas, ainda de acordo com o secretário, o Crivela insistiu para que um novo cadastro fosse feito pelos membros da Igreja Universal do Reino de Deus e que as obras começassem nas casas voltadas para a Cidade do Samba.

Fonte: O Globo