O Parlamento da Turquia aprovou neste sábado duas emendas à Constituição que abrem caminho para que mulheres sejam autorizadas a usar o véu islâmico em universidades, onde são hoje proibidas.

As emendas foram defendidas pelo governo, que alega que a proibição, em vigor desde 1997 nas universidades turcas, é discriminatória – já que afastaria milhares de muçulmanas devotas da educação superior.

Segundo a agência de notícias Associated Press, a primeira emenda aprovada inclui na Constituição um parágrafo que afirma que todos têm direito a tratamento igual em instituições estatais. A segunda afirma que “a ninguém pode ser negado o direito à educação superior”.

Os oponentes do fim da proibição afirmam que a medida vai ampliar a pressão para que as mulheres turcas usem o véu e tornará a sociedade turca mais polarizada.

Secularismo

Muitos temem que este seja um primeiro passo para que o Islã assuma uma importância maior na sociedade da Turquia, um país que tem no secularismo um de suas bases fundamentais desde a fundação.

Acredita-se que dois terços das mulheres turcas usem o véu e que milhares tenham desistido da educação superior por causa da restrição.

A questão provoca uma grande divisão na sociedade do país, motivando protestos a favor e contra a mudança.

A oposição prometeu contestar as emendas na Corte Constitucional do país.

Segundo a correspondente da BBC na Turquia Sarah Rainsford, não está claro o que aconteceria, agora, se uma garota tentasse entrar numa universidade com um véu islâmico.

Fonte: BBC Brasil