A editora Vozes registrou um crescimento de 25% nas vendas de Bíblia em 2009 e prevê um aumento de 15% no ano que vem. A oferta de modelos personalizados do livro sagrado cristão é uma das razões desse desempenho positivo em um ano de crise econômica mundial.

Também contribuiu para o avanço da Bíblia nas livrarias uma redução dos preços. Segundo a Vozes, a personalização é uma das tendências que ganham força no mercado.

Também pipocam títulos com abordagens específicas sobre a obra mais vendida do mundo. Há textos como “O Que a Bíblia Realmente Diz sobre Homossexualidade”, “A Violência na Bíblia”, “Mulheres da Bíblia” e “Bíblia para crianças”.

“A Bíblia é vendida em todas as classes, faixa etária, gênero. No meio urbano, pelo acesso, há um número mais significativo de compra. O que há de comum nos compradores da Bíblia é sua aproximação com a espiritualidade e a fé”, informou a Vozes à Livraria da Folha.

Com a proximidade do Natal, as vendas de Bíblia esquentam, aproveitando o sentido religioso da data do nascimento de Jesus. Um dos lançamentos é “A Bíblia – guia ilustrado das escrituras sagradas”, escritor por J.R. Porter, professor emérito de teologia na Universidade de Exeter, no Reino Unido. O seu principal diferencial é ser ricamente ilustrado ao apresentar as histórias mais importantes da Bíblia, sua simbologia, personagens e os estudos sobre o contexto histórico e social em que as narrativas foram escritas.

Questionada se títulos baseados em passagens bíblicas, como “Caim” e “Manual da Paixão Solitária”, ajudam a despertar o interesse pela leitura do livro sagrado, a Vozes responde: “Nossa avaliação é que não tem grande influência. O que traz novos leitores da bíblia são processos de busca mais duradouros.”

Fonte: Folha Online