Ronaldo de Castro, o Bispo Ronaldo (PRB), da Igreja Universal, destinou R$ 200 mil em emendas ao Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Leões do Vale, em Santo André (SP).

Essa semana, o vereador Ronaldo de Castro, conhecido como Bispo Ronaldo (PRB) pela atuação na Igreja Universal, suscitou comentários ácidos por ter destinado R$ 200 mil em emendas ao Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Leões do Vale, sediado no Jardim Guarará, em Santo André.

A iniciativa acontece após o prefeito Carlos Grana (PT) liberar cotas de R$ 300 mil para que cada um dos 21 parlamentares indique em forma de ações e projetos que serão executados ao longo de 2014.

Os críticos de plantão nas redes sociais e nos corredores da Câmara convergem num apontamento: a ação do vereador, bispo licenciado por causa do mandato, configura “conflito religioso”. “Como pode um bispo da Universal financiar uma festa condenada pela própria Igreja?”, indagou um parlamentar em troca de anonimato.

Ao RD, Ronaldo de Castro declarou que as discordâncias são sinal de “preconceito” e que ele, como político, não pratica “qualquer tipo de segregação”. “Por isso que meu nome é Ronaldo de Castro, não Bispo Ronaldo. Não faço diferenciação com qualquer outra religião ou segmento social”, frisou.

O vereador ainda destacou que, quando eleito, em outubro de 2012, fez questão de percorrer as escolas de samba de Santo André para averiguar as estruturas. “Coloquei meu gabinete à disposição porque vi que faltam recursos para fazer o Carnaval. Não vejo nenhum problema nisso”, pontuou.

Ronaldo ainda direcionou emendas relativas ao orçamento municipal de 2014 – estimado em R$ 3,2 bilhões – para ações da Secretaria de Obras e Serviços Públicos (SOSP) e para o custeio de uma instituição que cuida de “crianças excepcionais”.

Além de Ronaldo de Castro, também direcionaram valores para a Leões do Vale os vereadores Toninho de Jesus (R$ 60 mil) e Sargento Lobo (R$ 9 mil).

Em conversa com os vereadores, Grana assumiu o compromisso de executar as emendas. O acordo foi feito porque o ex-prefeito Aidan Ravin (hoje no PSB) chegou a liberar cotas parlamentares e vetar a própria iniciativa antes de deixar o comando do Paço. A única exigência do petista é que as emendas sejam aplicadas em obras e em subvenções a entidades.

O orçamento de Santo André deve ser votado na primeira semana de dezembro.

[b]Fonte: Repórter Diário[/b]