Um relatório recente sobre liberdade religiosa de minorias na Ásia constatou que, no ano passado, a perseguição a cristãos não só continuou como em muitos países até piorou

Emitido na última terça-feira (16), em Roma, pela fundação Aid to the Church in Need (Ajuda à Igreja que Sofre, tradução livre), o relatório destacou um “ano terrível” para o Paquistão, após o assassinato de dois líderes políticos, Salman Taseer e Shahbaz Bhatti , unicamente por terem se posicionado contra a lei da blasfêmia vigente no país.

A China viveu “enormes violações da liberdade religiosa”, acrescentou o documento; enquanto o Vietnã parecia estar seguindo seu vizinho do norte, promovendo grupos religiosos patrióticos em oposição à Igreja.

Myanmar fez pouco progresso em direção à tolerância de religiões minoritárias, apesar de suas recentes reformas políticas; ao mesmo tempo que, na Coréia do Norte, a liberdade religiosa continua a ser “totalmente negada.”

Enquanto isso, segundo o relatório, a Índia testemunhou a aplicação crescente de leis anti-conversão, que coincidiu com um aumento nos ataques contra as minorias.

Ao falar no lançamento do relatório, John Dayal, secretário-geral do Conselho Cristão da Índia, disse que o aumento rápido e recente de grupos extremistas hindus em oposição ao que eles percebem como uma ameaça islâmica foi o principal fator por trás do agravamento da perseguição religiosa em 2011. “A Índia está em um estado de negação”, disse ele. “O país se recusa a reconhecer que há violência deste tipo.”

O menor grupo no sistema de castas da Índia representa 60% dos cristãos no país; a possibilidade de que os “intocáveis” se unam através do cristianismo e possibilitem uma ameaça “à política das castas superiores” fez com que autoridades agissem lentamente proibindo o direito de escolha a uma fé religiosa, explicou Dayal.

Em outros lugares, os ataques de muçulmanos contra cristãos continua. No sul das Filipinas, no ano passado, assim como em Bangladesh e Sri Lanka, a intolerância entre religiões diferentes pode ser constatada em várias ocasiões.

A Tailândia, porém, foi considerada como um dos poucos pontos brilhantes, um dos primeiros países da Ásia a conseguir “progresso em diálogo inter-religioso”.

A Portas Abertas tem um projeto de apoio ao trabalho social na Ásia Central. Clique [url=http://catalogo.portasabertas.org.br/catalogo/detalhe_produto.asp?id=139]aqui [/url]para saber como ajudar. Não deixe de orar pelo crescimento do Evangelho na Ásia.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]