Honorilton Gonçalves, bispo da Igreja Universal
Honorilton Gonçalves, bispo da Igreja Universal

Após a Justiça da Angola fechar, no mês passado, sete templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), sob acusação de fraude e outros crimes, agora as autoridades migratórias do país impediram uma suposta fuga do líder da Igreja Universal para o Brasil.

As autoridades migratórias de Angola impediram nesta segunda-feira (31) uma suposta fuga do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Honorilton Gonçalves, para o Brasil, já que há um processo-crime, envolvendo pastores angolanos e brasileiros em curso na Justiça angolana.

A assessoria da igreja nega e pontua que a informação visa manchar a imagem da Igreja Universal.

Segundo informações, o religioso, que é alvo de investigações em Angola, pretendia sair do país em um voo humanitário da Transportadora Aérea Angolana (TAAG), com ajuda da esposa.

A assessoria de imprensa da igreja afirma que a suposta tentativa de fuga do bispo brasileiro, de 63 anos, é uma notícia falsa.

A responsável de comunicação da IURD, Ivone Teixeira, se disse consternada pela forma como tem sido tratado todo o processo e informa que o religioso estava em casa no momento do referido embarque, assim como não tinha e nunca teve sequer bilhete em seu nome para se ausentar do país.

A Procuradoria-Geral da República angolana confiscou, em 14 de agosto, sete templos da Igreja Universal do Reino de Deus, em Luanda, por suposta prática dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Em 2019, quase 300 bispos angolanos da IURD se afastaram da liderança brasileira, denunciando práticas contrárias à “realidade de Angola e da África” e acusando a igreja de sonegação fiscal.

O processo contra a IURD foi aberto em dezembro, com denúncias de bispos angolanos da própria igreja alegando que ela tinha práticas contrárias à “realidade de Angola e da África” e a acusando de sonegação fiscal.

A tensão aumentou em junho, quando um grupo de ex-membros da IURD assumiu o comando de mais de 80 templos na capital Luanda e nas províncias próximas.

No início do mês de agosto, o Diário da República de Angola, órgão oficial do país africano, comunicou formalmente o resultado de uma assembleia da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), no dia 24 de junho, que determinou a dissolução de sua diretoria e a destituição do bispo brasileiro Honorilton Gonçalves de sua cúpula.

A Assembleia Nacional de Angola (órgão legislativo máximo do país) indicou nova equipe de gerência e uma “Comissão de Reforma” da Igreja Universal, com o bispo angolano Valente Bezerra Luís como seu coordenador.

Fundada pelo bispo evangélico Edir Macedo em 1977, a igreja já foi alvo de polêmica por sua suposta participação em atividades ilícitas em outros países, incluindo denúncias de redes de adoção ilegal em Portugal e outros países de língua portuguesa.

Fonte: UOL com informações de Francisco Paulo, correspondente da RFI em Luanda