Sala de aula do ensino médio. (Foto: Reuters / Stephane Mahe)
Sala de aula do ensino médio. (Foto: Reuters / Stephane Mahe)

Uma nova pesquisa realizada nos EUA, revelou que apenas um em cada dez americanos apóia a ideia de matérias eletivas da história da Bíblia.

A pesquisa da Hill-HarrisX com mais de 1.030 americanos divulgada na semana passada, descobriu que apenas 12% dos entrevistados acreditam que os estados deveriam exigir que as escolas ofereçam novas aulas de história que ensinem apenas sobre a Bíblia e nenhum outro texto religioso.

A pesquisa, que tem uma margem de erro de 3,1 pontos percentuais, ocorre após a apresentação de projetos de lei em pelo menos 10 estados que exigiriam que as escolas públicas oferecessem aulas bíblicas, mas não permitiria que textos de ateus ou outras religiões fossem publicados ou oferecidos como eletivas, de acordo com Americans United for Separation of Church and State (Americanos Unidos para a Separação da Igreja e do Estado).

A nova pesquisa descobriu que 16% dos entrevistados acreditam que os estados deveriam exigir que as escolas ofereçam aulas de história que ensinem sobre todas as principais religiões, não apenas o cristianismo e a Bíblia.

Dezessete por cento dos entrevistados disseram acreditar que as escolas deveriam oferecer aulas de história que ensinassem não apenas a história de todas as principais religiões, mas também a história do ateísmo.

Dezenove por cento dos entrevistados acham que as escolas não devem oferecer aulas de história com foco em “livros religiosos”. A pesquisa também descobriu que 18% dos entrevistados acreditam que os estados deveriam permitir que as escolas decidam oferecer aulas de história sobre religião ou ateísmo.

Quase dois em cada 10 entrevistados (17 por cento) disseram que estavam “inseguros” ao responder a pergunta.

Quando dividida por afiliação política, a pesquisa Hill-HarrisX descobriu que 22% dos republicanos e 25% dos entrevistados que se classificam como “fortes conservadores” acham que os estados deveriam exigir que as escolas ofereçam aulas de história que ensinem apenas sobre a Bíblia.

Por outro lado, 22 por cento dos democratas, 24 por cento dos entrevistados que classificam como “fortes liberais” e 29 por cento daqueles que se dizem “liberais” sentem que os estados deveriam exigir que as escolas ofereçam aulas que ensinem sobre todas as religiões e ateísmo.  

22% dos democratas e 25% daqueles que se identificam como “fortes liberais” acreditam que os estados não devem permitir que as escolas ofereçam aulas que ensinem sobre qualquer livro religioso. Enquanto isso, 16% dos republicanos disseram o mesmo.

Críticos acham que tais projetos são “parte de um esforço para estabelecer este tipo de agenda cristã estreita como a norma para o nosso país”.

“Os resultados [da pesquisa] são interessantes porque fornecem o primeiro instantâneo do que os americanos realmente pensam sobre esse assunto”, escreveu o consultor sênior da Americans United, Rob Boston.

Embora a Suprema Corte dos EUA tenha decidido em 1963 que a leitura da Bíblia viola a Cláusula do Estabelecimento, a alta corte do país deixou aberta a possibilidade de as escolas ensinarem a Bíblia, desde que seja “apresentada objetivamente como parte de um programa secular de educação. “

Em janeiro, o presidente Donald Trump expressou seu apoio aos projetos de “alfabetização bíblica” que foram introduzidos nos estados. Ele disse que eles dão aos alunos a opção de estudar a Bíblia.

A ideia de oferecer aulas bíblicas em escolas públicas não é nova, já que aulas semelhantes foram oferecidas e financiadas por algumas escolas públicas nos Estados Unidos.

Folha Gospel com informações de The Christian Post