Sala de aula do ensino fundamental no Reino Unido
Sala de aula do ensino fundamental no Reino Unido

As aulas de educação religiosa nas escolas públicas britânicas podem ser ampliadas para incluir o ateísmo, o secularismo e o humanismo sob proposta de uma comissão que estuda a questão há dois anos.

A Comissão de Educação Religiosa emitiu seu relatório no mês passado, afirmando que tais mudanças são necessárias em um mundo de rápida mutação e pluralista. Sob a proposta da comissão, o nome do assunto seria alterado de “Educação Religiosa” para “Religião e Visão Mundial”, sendo um assunto obrigatório.

“Os jovens de hoje estão crescendo em um mundo onde há uma crescente conscientização sobre a diversidade de visões de mundo, religiosas e não-religiosas. Eles precisarão viver e trabalhar bem com pessoas com visões de mundo muito diferentes”, diz o relatório.

“Basta olhar para um jornal para saber que é impossível entender completamente o mundo sem entender as visões de mundo – religiosas e não religiosas”, complementa.

O texto ainda ressalta: “Esta é uma área essencial de estudo se os alunos devem estar bem preparados para a vida em um mundo onde a controvérsia sobre tais assuntos é generalizada e onde muitas pessoas não têm o conhecimento para tomar suas próprias decisões informadas”.

O assunto ensinaria sobre o cristianismo, o budismo, o hinduísmo, o islamismo, o judaísmo e o siquismo, além das “cosmovisões e conceitos não-religiosos, incluindo o humanismo, o secularismo, o ateísmo e o agnosticismo”.

O Reverendíssimo Dr. John Hall, que presidiu a comissão, disse ao The Telegraph que o assunto precisava de um “novo começo”.

“A vida no Reino Unido, na verdade a vida em nosso mundo, é muito diferente da vida na década de 1970, quando a Educação Religiosa começou a incluir outras religiões e crenças do mundo além do cristianismo”, disse Hall.

Mas alguns disseram que as mudanças vão longe demais. “Este relatório não é uma tentativa de melhorar o Ensino Religioso, mas pretende mudar fundamentalmente seu caráter”, disse um porta-voz do Serviço Católico de Educação ao jornal.

“A mudança de nome proposta para incluir ‘visões de mundo’ significa que o escopo do assunto agora é tão amplo e indefinido que potencialmente perderia todo o valor acadêmico e integridade. Como sempre mantivemos, a qualidade da Educação Religiosa não é melhorada pelo ensino de menos religião”.

Fonte: Guia-me com informações de Christian Headlines