A família de Hoang Van Ngai, cristão de etnia Hmong que morreu sob custódia policial em 17 de março, foi notificada em meados do mês de maio acerca de investigações de autoridades vietnamitas. Sua morte foi confirmada e a causa apontada foi “suicídio por auto-eletrocussão”. No entanto, a família acredita que ele foi morto por defender sua igreja e pela sua determinação em se posicionar contra os oficiais corruptos locais.

Hoang Van Ngai era um ancião da Igreja Bui Ter, que pertence à Igreja Evangélica do Vietnã (Sul), reconhecida legalmente. O irmão mais velho de Ngai acredita que ele fez inimigos entre os oficiais do governo porque ousou se posicionar contra os abusos de poder e se recusou a pagar subornos. Ele também defendeu a igreja quando as autoridades tentaram fechá-la à força.

Ngai foi preso em 15 de março juntamente com seu irmão mais velho, Hoang Van Pa. Sua esposa e cunhada foram detidas no dia anterior. Nessa ocasião, a polícia não se apresentou ou fez referência a qualquer ordem ou mandado de prisão temporária. Em 17 de março, o irmão de Ngai ouviu o som de violentas batidas vindas da cela de seu irmão. Quando a polícia retirou Ngai da cela, seu irmão viu que ele estava “completamente manco, como que morto, desmaiado, com marcas roxas em seu pescoço”. Fotografias do cadáver de Ngai mostram graves ferimentos que não existiam antes de ele ser detido.

Em 18 de março, o quartel da polícia anunciou que Ngai estava morto; no entanto, sua família percebeu que este anúncio não deixava clara a causa de sua morte. A família fez uma petição urgente ao chefe de polícia na província de Dak Nong, contestando a informação antecipada do Presidente do Comitê Popular de que Ngai teria cometido suicídio. O caso foi amplamente divulgado e muitas organizações internacionais e representantes de governo passaram a pedir informações sobre o caso junto às autoridades vietnamitas. Em meados de maio, após dois meses da petição, as autoridades finalmente notificaram à família que a investigação confirmou a hipótese original de suicídio por auto-eletrocussão.

O diretor executivo da organização Christian Solidarity Woldwilde (CSW), Mervyn Thomas, afirmou que “Ngai, ao que parece, foi perseguido por sua fé cristã e sua determinação em se posicionar contra os oficiais corruptos. As autoridades foram incapazes de resolver as questões levantadas pela morte de Ngai, deixando sérias dúvidas sobre o compromisso do governo com os direitos contidos na Convenção Internacional de Direitos Políticos e Civis, da qual o Vietnã faz parte. A Convenção inclui provisões contra a privação arbitrária da vida (Artigo 6), detenção arbitrária (Artigo 10), e o uso de tortura ou crueldade, degradação, tratamento ou punição desumana (Artigo 7). Nós, portanto, pedimos ao governo para conduzir uma completa e imediata investigação do caso, levando em consideração os testemunhos do irmão de Ngai e outros prisioneiros, além das evidências fotográficas, e circunstâncias que permearam sua detenção, aprisionamento e morte”.

[b]Fonte: ANAJURE [/b]