Jonathas e Adriane Foto: Reprodução
Jonathas e Adriane Foto: Reprodução

Na última quarta-feira (24), seis brasileiros, de uma mesma família, morreram após serem intoxicados por monóxido de carbono. Eles estavam em um apartamento, alugado via Airbnb, em Santiago, no Chile.

As vítimas eram da cidade de Biguaçu, na Grande Florianópolis, Santa Catarina. Além do casal, Fabiano de Souza e Débora Muniz Nascimento de Souza, e seus dois filhos, Karoliny Nascimento de Souza e Felipe Nascimento de Souza, estavam o irmão de Débora, Jonathas Muniz e a esposa dele, Adriane Kruger. Todos vieram a óbito no mesmo local.

Diante da notícia, fiéis da Igreja Adventista ficaram em choque. Jonathas e Adriane frequentavam o templo, na cidade brasileira, há menos de três anos. A viagem da família tinha acontecido para celebrar o aniversário de Karoliny, que faria 15 anos nesta sexta-feira.

Parentes das vítimas revelaram que o casal se dedicava, diariamente, à igreja. Jonathas era chefe do departamento pessoal do Instituto Adventista de Tecnologia (IATec). Ele e sua esposa moravam perto do IATec, do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), de um colégio adventista e da igreja que frequentavam.

Débora, com o marido e os filhos Foto: Reprodução

O instituto chegou a se manifestar sobre o caso, por meio de uma nota. O texto informou que a os familiares têm recebido apoio “neste momento difícil e de profundo pesar”.

– Como uma instituição cristã, confiamos em Deus e acreditamos na esperança da ressurreição e na breve volta de Jesus Cristo – declarou a diretoria do IATec.

Fonte: Pleno News