Bandeira da Somália (Foto: www.slon.pics - br.freepik.com

É impossível admitir publicamente a fé cristã na Somália, e a igreja não existe. Isso acontece porque o islamismo é considerado uma parte crucial da identidade somali e, se houver suspeita de que algum nativo tenha se convertido ao cristianismo, ele estará em grande perigo. Membros da família, clã ou comunidade irão assediá-lo, intimidá-lo ou até mesmo matá-lo. No caso de mulheres, as cristãs podem ser agredidas sexualmente e casadas à força.

Os cristãos também estão em perigo devido ao Al-Shabaab, um grupo radical que defende a sharia (conjunto de leis islâmicas) como base para regulamentar todos os aspectos da vida. Os seguidores de Jesus de origem muçulmana são considerados “alvos preciosos” pelos jihadistas, que muitas vezes executam os “infiéis” no mesmo instante em que são descobertos.

Se um cristão é morto ou raptado, toda a família dele sofre as consequências, pois o homem era o responsável pelo sustento da esposa e dos filhos. Assim, a família cristã fica desprotegida e é vista como um problema na comunidade.

“Estávamos todos mortos, mas Jesus veio para nos salvar e nos dar uma nova vida. Deixo minha vida nas mãos dele. Estou tão entusiasmada que Deus está comigo onde quer que eu esteja; também estou feliz porque o Senhor ouve minhas orações”, diz Momina, cristã perseguida no Chifre da África

O que mudou este ano?

A Somália continua em terceiro lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021, como um dos países onde os cristãos enfrentam a perseguição mais extrema. A pressão sobre os cristãos permanece em um nível extremo. Mas os seguidores de Jesus também enfrentam a violência, pois correm o risco de serem mortos por militantes islâmicos. Além disso, os líderes de clãs, anciãos e familiares monitoram os movimentos de qualquer suposto convertido.

Nos últimos anos, a situação parece ter piorado. Os militantes islâmicos intensificaram os ataques aos cristãos, principalmente aqueles em posição de liderança.

Quem persegue os cristãos na Somália?

O termo “tipo de perseguição” é usado para descrever diferentes situações que causam hostilidade contra cristãos. Os tipos de perseguição aos cristãos na Somália são: opressão do clã, opressão islâmica, corrupção e crime organizado.

Já as “fontes de perseguição” são os condutores/executores das hostilidades, violentas ou não violentas, contra os cristãos. Geralmente são grupos menores (radicais) dentro do grupo mais amplo de adeptos de uma determinada visão de mundo. As fontes de perseguição aos cristãos na Somália são: grupos religiosos violentos, líderes de grupos étnicos, partidos políticos, parentes, cidadãos e quadrilhas, líderes religiosos não cristãos, redes criminosas, oficiais do governo.

Quem é mais vulnerável à perseguição na Somália?

Todos os cristãos ex-muçulmanos estão em grande perigo na Somália. Como há um nacionalismo religioso, todos os cidadãos são considerados muçulmanos. Os cristãos que vivem em áreas sob o controle do Al-Shabaab são particularmente vulneráveis.

Como as mulheres são perseguidas na Somália?

As jovens cristãs ex-muçulmanas estão entre as mais vulneráveis na Somália. É comum que uma mulher suspeita de ser cristã seja agredida sexualmente e humilhada em público, casada à força com um militante islâmico ou morta. Não existem leis que tratem da violência doméstica e quase todas as mulheres somalis levam uma vida pré-determinada, com pouca possibilidade de mudança para crenças ou expressões pessoais. O casamento forçado é frequentemente usado como uma forma de coagir ou controlar mulheres e meninas (não há idade mínima legal para o casamento).

Como os homens são perseguidos na Somália?

Todos os cristãos ex-muçulmanos na Somália enfrentam perseguição extrema. Na cultura somali, os homens são vistos como líderes que devem representar a fé islâmica e determinam a crença dos familiares. Após encontrar Cristo, eles são tratados com hostilidade e podem ser culpados pela conversão de um familiar do sexo feminino.

Há muita pressão sobre os suspeitos de conversão, que podem ser obrigados a liderar as orações na mesquita, deixar a barba crescer, se casar com mais de uma esposa ou realizar rituais islâmicos em público. Quando são descobertos, os cristãos têm a herança negada; quando meninos, não recebem educação e são levados para centros de reabilitação islâmicos, onde são forçados a se juntar às milícias islâmicas.

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos na Somália?
A Portas Abertas apoia os cristãos por meio de discipulado, distribuição de literatura cristã e Bíblias, e desenvolvimento socioeconômico, além de promover a transmissão de programas de rádio cristãos para o país.

Como posso ajudar os cristãos perseguidos?

Além de orar por eles, você pode ajudar de forma prática doando para os projetos da Portas Abertas de apoio aos cristãos perseguidos. Doando para esta campanha, sua ajuda vai para locais onde a necessidade é mais urgente. Clique aqui para ajudar.

Pedidos de oração da Somália

Ore pelas famílias dos cristãos assassinados por causa da fé, para que recebam o consolo de Deus e sejam curadas da amargura.
Clame pelo crescimento de uma igreja forte entre o povo somali, que confia em Jesus e tem fome e sede da justiça do Senhor.
Ore para que aqueles que são responsáveis pelos ataques contra os cristãos sejam alcançados por Jesus e punidos pelos crimes que cometeram.

Dados da Somália

  • Capital: Mogadíscio
  • Região: Sul e Leste da África
  • Líder: Mohamed Abdullahi Mohamed
  • Governo: República parlamentarista
  • Religião: Islamismo
  • Idioma: Somali, árabe, italiano, inglês
  • População: 16,1 milhões
  • População cristã: algumas centenas

Fonte: Portas Abertas