Ryan Keating viveu 20 anos na Turquia, de onde foi deportado. (Foto: Reprodução / World Magazine)
Ryan Keating viveu 20 anos na Turquia, de onde foi deportado. (Foto: Reprodução / World Magazine)

As minorias americanas e cristãs na Turquia são cada vez mais destacadas à medida que as leis de estado de emergência transformam a maior democracia do Oriente Médio em um estado autoritário, informa a World Magazine.

Essa realidade se impôs na vida de Ryan Keating, um cristão que vivia no Norte de Chipre, onde teve sua casa e sua empresa invadidas e seu nome difamado na mídia turca. Ryan que residiu na Turquia, durante mais de 20 anos, foi alvo de perseguição devido à sua fé e atividade cristã.

A deportação é uma tática comum usada pela Turquia para eliminar a presença do cristianismo. Essas e outras ações têm feito do país um lugar hostil aos cristãos, figurando como 25º na Lista Mundial da Perseguição de 2021 da Portas Abertas.

Em 27 de janeiro, as autoridades procuraram e apreenderam Bíblias e literatura cristã em vários idiomas após alegarem que a polícia estava conduzindo uma investigação a respeito de seu negócio operar sem licença.

Um dia depois, em 28 de janeiro, um jornal de língua turca, Kibris Postasi, publicou um artigo afirmando que Keating estava ligado ao pastor Andrew Brunson.

Brunson foi injustamente preso por dois anos sob acusações de terrorismo por causa de sua fé. Mais tarde, Kibris Postasi mudou o artigo para incluir outro cristão que vivia no Norte de Chipre.

Interesses

O interesse da Turquia em Chipre é anterior à ocupação ilegal no norte desde 1974. Quando Chipre recebeu sua independência em 1960, a Turquia assinou como um estado fiador junto com o Reino Unido e a Grécia.

Na década de 1950, a propaganda turca começou a justificar sua invasão iminente e ações violentas e criminosas. Isso incluiu a encenação falsa dos chamados crimes (como o massacre da banheira de 1963) com a intenção de incitar a ira contra a comunidade cipriota grega, que também é predominantemente cristã.

Mais tarde, sob o pretexto de proteger os cipriotas turcos dos cipriotas gregos, a Turquia invadiu oficialmente e continuou sua ocupação ilegal na ilha.

Desde a sua ocupação, a Turquia se engajou na limpeza étnica de cipriotas gregos e inúmeros abusos dos direitos humanos, violando a Carta das Nações Unidas, as Convenções de Genebra, a Convenção Europeia sobre Direitos Humanos e outros acordos internacionais.

Fonte: Guia-me com informações de ICC