No plano político, os nacionalistas hindus dizem que todos os indianos são hindus. Mas quando se trata da questão da igualdade de direitos a todos os dalits, querem dividi-los com base na religião.

A tensão nacionalista do hinduísmo domina a estrutura política nacional com a ascensão do Partido Bharatiya Janata ao governo. Franklin Caesar, um ativista que defende os dalits, entrou com uma ação que proíbe o governo de deixá-los de lado e sem benefícios com base na religião. Sua petição está pendente no Supremo Tribunal Federal por uma década, sem indicação de que o caso seja retomado.

“O fato de o ministro admitir que o governo faça acepção aos dalits cristãos e muçulmanos é um aspecto revelador da submissão forçada a uma religião,” diz o Rev. Kumar Swamy, secretário nacional do Conselho Cristão na Índia. “O Estado está realmente envolvido nesta indução através de liberação de benefícios. A constituição indiana é claro diz que o Estado não tem religião. ”

“É contraditório o fato do ministro da justiça social fazer distinção religiosa”, disse Caesar, que se mudou de Tamil Nadu, em 2004, para Nova Deli a fim defender o caso de forma mais eficaz.

Ceaser disse à World Watch Monitor que vários relatórios de inquérito e comissões têm recomendado que o governo “de-link” – use o sistema de castas dentro das religiões. Em seu relatório de 2009, a Comissão Nacional para as Minorias Religiosas e Linguísticas, liderada por um ex-chefe da justiça da Índia, concluiu que os cristãos e os muçulmanos sofrem as mesmas desigualdades como os outros dalits.

Grupos de direitos cristãos citaram este relatório, muitas vezes, o que levou grupos nacionalistas hindus no estado de Kerala, no início de setembro a exigirem que o relatório seja desfeito, alegando que não há discriminação religiosa no país.

No período em que sua petição constitucional ficou perante o Supremo Tribunal de Justiça, Ceaser, um engenheiro, obteve uma licenciatura em Direito.

“Nós não esperamos qualquer resposta positiva do governo para a nossa petição na Suprema Corte”, disse ele. “Estamos pedindo ao tribunal para decidir sobre a validade constitucional da discriminação de castas, uma vez que constitui uma discriminação com base na religião.”

[b]Fonte: World Watch Monitor
[/b]