Cristãos no Paquistão pedem paz
Cristãos no Paquistão pedem paz

Um cristão paquistanês está parcialmente paralisado depois que uma multidão de muçulmanos matou dois cristãos e atacou outro com um machado por construir uma igreja em uma vila na província de Punjab.

Azeem Gulzar, 25, foi liberado do Hospital Civil Sahiwal em 24 de fevereiro, três semanas depois que sua família tentou resistir a 15 homens armados que tentaram derrubar o muro da igreja.

O alfaiate cristão doou seu lote de 51 metros quadrados em uma vila no distrito de Sahiwal, em Punjab, para uma igreja comunitária. A vila de maioria muçulmana é o lar de cerca de 150 cristãos.

O primo de Gulzar também foi baleado enquanto seu tio foi atacado com um machado, segundo o irmão mais novo de Gulzar, Waseem. Todos os três homens foram levados para um hospital, mas já foram liberados.

Wassem relatou que os planos para a construção da igreja atraíram a ira dos muçulmanos da área; o terreno faz divisa com a propriedade de Muhammad Liaqat, um professor muçulmano.

O ataque ocorreu após meses de desentendimentos entre a família de Gulzar e Muhammad Liaqat. O ataque também ocorreu após o consentimento do coordenador distrital para que a comunidade cristã construísse a igreja.

A família de Gulzar construiu um muro e uma porta no canteiro de obras em 2 de fevereiro. Mais tarde naquela noite, cerca de 15 muçulmanos desceram à propriedade para derrubar o muro. Quando Gulzar e sua família tentaram parar a destruição, eles foram atacados.

“Era domingo. Passamos o dia inteiro construindo o muro e terminamos às 19h”, disse Waseem. “Nós só queríamos proteger nossa propriedade contra qualquer ocupação forçada. Três horas depois, ouvimos uma multidão cantando à nossa porta. Enquanto tentávamos explicar nossa posição, alguém recorreu ao disparo aéreo. Meus irmãos foram os próximos alvos”.

De acordo com o Centro de Assistência Jurídica, Assistência e Liquidação do Reino Unido, as comunidades muçulmana e cristã na área acusaram-se de lançar o ataque e dois relatórios policiais diferentes foram arquivados relacionados à briga.

Waseem disse à UCANews que, embora seu irmão tenha sido liberado do hospital na segunda-feira, ele não consegue se comunicar.

“Um dos meus primos está se recuperando do ferimento de uma bala que atingiu levemente seu crânio”, disse Waseem. “Meu tio também foi ferido com um machado. Não somos ricos o suficiente para perseguir processos judiciais prolongados”.

O Paquistão é o quinto pior país do mundo em perseguição cristã, segundo a Lista Mundial da Perseguição de 2020 da Portas Abertas.

A Portas Abertas, que opera em mais de 60 países, relata que existem dezenas de ataques a cada ano contra igrejas e cemitérios no Paquistão.

Em novembro, 30 homens invadiram a Igreja Católica São Domingos no subdistrito de Arifwala, na província de Punjab. O muro e o portão da igreja foram destruídos e os atacantes derrubaram a cruz de um muro.

Em 2018, o Departamento de Estado dos EUA designou o Paquistão pela primeira vez como um “país de particular preocupação” por tolerar e se envolver em violações flagrantes da liberdade religiosa.

Considerando que a blasfêmia (insultar o Islã ou o profeta islâmico Muhammad) é um crime punível com a morte ou prisão, a lei é frequentemente abusada pelos muçulmanos para resolver disputas com minorias religiosas. Crimes horríveis sobre a multidão tiraram a vida de cristãos acusados ​​de blasfêmia, incluindo o linchamento de dois cristãos por uma multidão em 2014.

Muitos cristãos e outras minorias religiosas fugiram da perseguição no Paquistão e agora vivem como refugiados no Sri Lanka, Tailândia e Malásia.

Folha Gospel com informações de The Christian Post