Chineses com a Bíblia na mão
Chineses com a Bíblia na mão

Em 2014, Xia Baolong, chefe do Partido Comunista em Zhejiang, uma província costeira, supervisionou uma campanha para remover mais de 1.500 cruzes de locais de culto na província. Além disso, Bíblias foram confiscadas e pastores foram presos.

Aliado de longa data do presidente Xi Jinping, o chefe do partido comunista foi promovido primeiro a um excelente emprego em Pequim e, depois, em fevereiro, a uma nova função como chefe do escritório de supervisão dos assuntos de Hong Kong e Macau.

Apesar da implacável repressão, os cristãos da China continuam crescendo. O governo avalia que cerca de 200 milhões dos 1,4 bilhão de habitantes da China são religiosos. Dentre todas, o cristianismo protestante é a fé que mais cresce, com pelo menos 38 milhões de adeptos hoje (cerca de 3% da população), contra 22 milhões por década atrás, de acordo com a contagem do governo.

O verdadeiro número é provavelmente muito maior: talvez até 22 milhões de protestantes chineses adoram em igrejas “subterrâneas” não registradas, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Notre Dame.

Há mais cristãos na China hoje do que na França (38 milhões) ou na Alemanha (43 milhões). Combinados, os cristãos e os estimados 23 milhões de muçulmanos do país podem agora ultrapassar o número de membros do Partido Comunista (92 milhões). Na verdade, um número desconhecido de membros do partido vai à igreja, bem como às reuniões do comitê local, segundo reportagem do The Economist.

À medida que se tornam mais numerosos, os fiéis do país enfrentam uma supervisão cada vez mais rigorosa do estado. A constituição da China garante nominalmente a liberdade de crença religiosa. Mas desde que Xi assumiu o poder em 2012, o governo aumentou o controle sobre os grupos religiosos em um esforço para eliminar possíveis fontes de dissidência ou secessão.

Versões aprovadas pelo governo de religiões tradicionais foram promovidas e aquelas vistas como estrangeiras e ameaçadoras foram reprimidas. Para centenas de milhares de muçulmanos uigur na província ocidental de Xinjiang, isso significou detenção, “reeducação” e secularização forçada.

Para muitos cristãos, significou cruzes derrubadas, igrejas fechadas e, em alguns casos, prisão. Em dezembro, Wang Yi, pastor de uma igreja subterrânea em Chengdu, capital da província de Sichuan, no sudoeste, foi condenado a nove anos de prisão por “incitar a subversão”, uma acusação normalmente reservada para dissidentes políticos.

Pregadores enfrentam vigilância severa. Enquanto o clero em igrejas sancionadas pelo estado é instruído a dar palestras sobre tópicos favorecidos pelo partido, como misturar o cristianismo com a cultura chinesa secular, os pastores clandestinos frequentemente tocam em assuntos tabu, como a existência de demônios e milagres, ou pior ainda, a importância de proselitismo para amigos e colegas de trabalho.

No entanto, a pesquisa sugere que o governo pode precisar continuar tolerando alguns destes últimos nas igrejas oficiais, ou arriscar perder seus fiéis em outros lugares.

Em 2017 e 2018, Harris Doshay, um estudante de doutorado na Universidade de Princeton, assistiu e analisou os sermões proferidos por ministros do Movimento Patriótico da Three-Self, a igreja protestante controlada pelo estado.

Ele descobriu que os fiéis mostravam sua preferência pelos temas “votando com as pálpebras”: se a oração ficasse dentro das linhas do partido, muitos, de forma consistente e às vezes bastante demonstrativa, decidiam cochilar.

Fonte: Guia-me com informações de The Economist