Um exame de DNA esclareceu que a parte de um corpo encontrado no último dia 3 em Maricá (RJ) é do padre Adelir de Carli, desaparecido há dois meses após tentar voar de Paranaguá (PR) a Ponta Grossa alçado por mil balões de festa.

O IML (Instituto Médico Legal) de Macaé, também no Rio, realizou a análise e encaminhou para a Polícia Civil.

No dia 3 deste mês a metade de um corpo (do quadril para baixo) foi localizada a 100 km da costa. O corpo estava com uma calça com um tecido azulado e com vestígio de um material brilhante –que poderia ser alumínio, como usava o padre.

Carli tinha como objetivo bater o recorde de balonismo caseiro. Pretendia ficar 20 horas no ar. O padre insistiu em voar, mesmo com o tempo ruim no dia da decolagem, em 20 de abril. Os ventos e o mau tempo acabaram desviando Carli à costa catarinense. O Corpo de Bombeiros encerrou as buscas a Carli em 11 de maio.

Despojos

A notícia do encontro do corpo e da possibilidade dele pertencer ao padre abalou religiosos de Paranaguá e de bombeiros de Penha, em Santa Catarina.

Ernesto Lauro Klein, que participava das obras realizadas por de Carli na Pastoral do Caminhoneiro, em Paranaguá, informou na época que os religiosos estão abalados.

Fonte: Folha Online