Depois de comprar o horário da Mundial na CNT, a Universal estaria de olho na Band e no canal 21 após boatos de atrasos de pagamento da Mundial.

A palavra “ataque”, nesse caso, faz muito jus à estratégia que a Universal de Edir Macedo escolheu para tentar destruir, ao menos reduzir de tamanho, aquela que é considerada a principal concorrente na busca por almas generosas, dispostas a ouvir os sermões, frequentar os templos e principalmente, ser generoso com o dízimo periódico e com as campanhas de arrecadação extra-dízimo, que boa parte das evangélicas, como Universal e Mundial, têm.

Duas semanas atrás o ataque começou. Valdemiro tinha a vantagem de opção da compra na rede paranaense CNT de televisão. Até o último segundo do negócio ele avisou que estava levantando fundos para a compra milionária, mas a Mundial falhou em levantar o dinheiro e em achar sócios.

Menos de 24 horas depois a Universal comprou 12 horas diárias de toda a rede CNT.

O mesmo estaria ocorrendo na Band e no canal 21. Algumas prestações atrasadas caíram nos ouvidos da cúpula da Universal, que correu informar à Band que, se a Mundial “pisar na bola”, a igreja de Macedo tem o maior interesse em preencher os horários.

A guerra está se dando nas rádios de todo o país também: emissários de Macedo têm percorrido o país todo atrás de rádios que estejam em crise devido à falta de pagamentos de Valdemiro. Nesses casos, as rádios têm direito de rescindir o contrato. E é isso que elas estão fazendo. A Universal substitui tudo, e paga melhor, para alegria de donos de pequenas rádios, que não hesitam em fazer a troca.

Por que a Mundial está atravessando uma crise de gestão? Bem, fontes ouvidas por esta coluna junto a dois de seus membros-funcionários, acreditam que a culpa é da pressa que Valdemiro teve e tem de expandir a igreja. É consenso que o carismático líder tem como meta uma expansão até ultrapassar a Universal em templos. O problema é que Valdemiro está fazendo isso de uma forma temerária e com pouco planejamento. Daí o fato de já ter vendido até propriedades e bovinos, no ano passado, para bancar centenas de dívidas que estavam vencendo ao mesmo momento.

O desejo de destruir o império de Santiago é tão grande que a Universal, se preciso, vai se desfazer de concessões de rádios que tem pelo Brasil adentro, quando estiverem em cidades que não têm presença forte da mundial.

[b]Fonte: Ricardo Feltrin, colunista do UOL[/b]