Um dos fenômenos surpreendentes das eleições de primeiro de outubro foi a frustração de várias candidaturas assentadas na religiosidade.

Profissionais mistos de pastores e marqueteiros ainda procuram a explicação para a rejeição do povo de Deus aos seus líderes. A resposta talvez seja mais simples do que eles imaginam em suas teorizações.

O deputado André Zacharow, líder das igrejas batistas do Paraná e presidente da Sociedade Evangélica Beneficente (Hospital Evangélico de Curitiba e Faculdade Evangélica do Paraná) disse, a propósito de sua não reeleição, aquilo que analistas do mundo religioso (e suas implicações na vida política) têm dito: o grande número de candidatos apelando para a qualidade de ser evangélico acabou corroendo o que antes era filão de votos.

Zacharow e o pastor Oliveira Filho, da Igreja Universal do Reino de Deus, rodaram nas urnas, apesar do chamado voto crente.

Também o coordenador de Roberto Requião no relacionamento político com os evangélicos, deputado Vanderlei Iensen, foi reprovado na tentativa de voltar à Assembléia Legislativa do Paraná. Mas, o coirmão de Iensen na Igreja Assembléia de Deus, pastor Hidekazu Takayama, reelegeu-se para a Câmara dos Deputados sem problemas.

O evangélico Ailton Araújo também não voltou ao Legislativo. O que mais surpreendeu os analistas do chamado fenômeno religioso e suas ligações com os votos foi o pouco resultado conseguido pelos deputados que vincularam sua candidatura a movimentos católicos carismáticos.

Rafael Greca de Macedo, por exemplo, teve, nos últimos quatro anos, seu nome colado ao do padre Marcelo Rossi, figura nacional e emblema da renovação carismática católica. Chegou a trazê-lo para dois eventos públicos em Curitiba.

Além disso, Greca também fixou sua imagem à do padre-cantor Reginaldo Manzotti, sacerdote de forte apelo popular e com programas em rádio e televisão. Não adiantou. Os resultados adversos poderão dificultar aspirações como as de voltar à Prefeitura de Curitiba, tão acalentadas por Greca.

Como se vê, as ovelhas já não são tantas no aprisco que um dia elegeu fortes bancadas evangélicas e pentecostais.

Fonte: Paraná Online

Porque será que o povo evangélico, em sua grande maioria, não atendeu a ordem dos seus líderes para votar nos candidatos por eles indicados? Clique aqui e vote em nossa enquete