O atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula
O atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula

Aliados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL) elegeram os evangélicos como um dos principais focos de disputa, a pouco menos de dez meses das eleições presidenciais.

De acordo com matéria da Folha de São Paulo, cada lado usará métodos diferentes para tentar ampliar a vantagem nesse eleitorado. Segundo petistas, o partido quer atrair esse segmento pela base, por meio do discurso voltado para a economia.

Já Bolsonaro, de acordo com aliados, mira a cúpula das igrejas em busca de fidelizá-las com o apelo da pauta de costumes.

Pesquisa Datafolha divulgada em 16 de dezembro, mostra que 39% dos evangélicos votariam em Lula contra 33% de Bolsonaro no primeiro turno. No segundo turno, há empate técnico: 46% dos religiosos declaram intenção de eleger o petista, enquanto 44% escolheriam Bolsonaro.

Para o atual mandatário, esse eleitorado garante parte da marca conservadora que ele embute em seu governo, como a defesa da família e costumes.

Ainda que seja católico, Bolsonaro conta com a simpatia da cúpula das principais denominações do segmento. A indicação recente do ex-AGU André Mendonça para o STF (Supremo Tribunal Federal) foi uma promessa aos evangélicos.

Bolsonaro não retirou o nome do pastor apesar da resistência no Senado e até dentro do governo. Diante da pressão dos evangélicos, foi alertado do estrago que isso poderia causar com eles.

Para Bolsonaro, é importante fidelizar essa parcela do eleitorado, uma vez que representa aproximadamente um terço da população.

Em outra frente, dirigentes petistas avaliam que o grupo é relevante por representar segmentos que o partido visa atingir. Os evangélicos, segundo pesquisas analisadas pelo PT, são predominantemente pobres, negros e mulheres, em tese, o “público-alvo” do PT, em quem Lula mirou e teria de novo a intenção de beneficiar em programas sociais.

Segundo aliados do ex-presidente, a ideia do PT é focar a base e chegar aos evangélicos na ponta, sem passar por pastores de grandes congregações que os lideram.

Para atingir essa população por meio das redes sociais e o trabalho corpo a corpo nas periferias, o PT planeja criar centenas de comitês populares para fazer brigadas digitais e pequenos comícios.

O discurso também será diferente daquele do atual mandatário. No lugar de focar na pauta de costumes, o PT quer convencer o evangélico a votar em Lula por meio do discurso da economia e da esperança.

A ideia é pedir para que as pessoas relembrem da vida no governo do PT. A briga, dizem dirigentes do partido, é política, não religiosa.

Bolsonaro, por sua vez, tem a estratégia de atingir os evangélicos pelos seus líderes, algo que ele já faz atualmente.

Além disso, intensificou a participação em eventos de grandes denominações com plateia de pastores e fiéis, como por exemplo, o evento desta sexta-feira, 7, da Fundação Neopentecostal e Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra, na arena da igreja, em Vicente Pires, Brasília.

Ao ser anunciado no evento, Bolsonaro, que estava acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e do ministro do Trabalho e da Previdência, Onyx Lorenzoni, fo aplaudido pelos fiéis que gritaram “mito”. Cerca de 7 mil pessoas marcaram presença no culto.

fonte: Folha de S. Paulo e Metrópoles


Comentários