Johannes Läderach, em uma das lojas. / Foto: Swissinfo
Johannes Läderach, em uma das lojas. / Foto: Swissinfo

Uma empresa de chocolates foi alvo de radicais na Suíça pelas convicções cristãs de seus proprietários.

A Läderach produz produtos de chocolate premium há mais de 50 anos e emprega cerca de 700 pessoas na Suíça e em outros países ao redor do mundo. O chocolatier tem 60 lojas e é um dos maiores empregadores do Cantão Alpino de Glarus.

O fundador do negócio, Jürg Läderach, um cristão evangélico, também é presidente do grupo sem fins lucrativos Christians for Today (CFT), cuja visão é “proteger e apoiar os valores cristãos de acordo com o modelo da Bíblia”.

Entre suas prioridades estão, de acordo com o site do CFT , família e casamento, a defesa da liberdade de consciência, expressão e crença e a proteção dos nascituros.

Ataques de lojas

Grupos radicais começaram a visar publicamente contra Läderach no outono, depois de descobrirem que o Christians for Today era um dos 14 grupos que organizaram a Marcha pela Vida anual, que em sua edição de 2019 reuniu 1.200 pessoas em Zurique em defesa da vida das crianças com Síndrome de Down . Apenas três horas após o evento, uma das lojas de Läderach na cidade foi atacada com tinta.

Alguns dias depois, na cidade de Basileia , outra loja da empresa foi vandalizada, desta vez com ácido butirico. Os bombeiros tiveram que agir e a loja teve que fechar dois dias para remover o mau cheiro.

De acordo com o jornal regional Sued Ost Schweiz, os vândalos explicaram anonimamente sua ação nas mídias sociais, argumentando que “através de seus ganhos, Läderach financia ideologias nacionalistas e fundamentalistas cristãs de direita”. Eles chegaram a dizer que a empresa, que tem uma política de trabalhar apenas com o cacau de ‘comércio justo’, o fez para continuar uma “herança pós-colonial e racista”.

Até alguns atores políticos se juntaram à narrativa dos radicais. O ramo jovem do Partido Socialista, a segunda força política no parlamento suíço, convocou o boicote contra Läderach e organizou ações em frente às suas lojas para denunciar a alegada “luta contra os direitos dos homossexuais e mulheres” da empresa.

Nos últimos meses, a Läderach registrou sete atos de vandalismo contra suas lojas. O CEO da empresa, Johannes Läderach, disse recentemente que precisa garantir a liberdade de expressão, porque “não é aceitável que os funcionários tenham que viver com medo”.

“Ninguém na Läderach é homofóbico – nem a gerência nem a equipe”, disse ele em entrevista ao principal jornal suíço NZZ, traduzido pela SwissInfo . “Temos homossexuais trabalhando para nós. Nós não perguntamos sobre isso. Läderach tem uma política de tolerância zero em relação à discriminação”.

Questionado sobre suas visões cristãs, o empresário, 33 anos, disse que respeitava aqueles que dizem que o direito de uma mulher terminar uma gravidez é mais importante que o direito de uma criança viver , mas esperava o mesmo grau de tolerância por sua própria ética. “Porque luto pela vida não nascida, sou acusado de misoginia. Mas não sou um misógino – 60% dos nossos gerentes são mulheres”, acrescentou.

“Eu não quero parar de lutar pelos meus valores cristãos apenas porque estamos tendo sucesso como empresa (…). Em última análise, o que conta não é o lucro que obtemos, mas sim se mantemos nossas convicções”.

Mas a pressão dos grupos LGBT não apenas causou polêmica na mídia, mas também levou a consequências financeiras.

Já se sabe que a companhia aérea mais conhecida da Suíça, a Swiss Airlines, que oferece chocolate de presente aos passageiros, quebrou o contrato com a Läderach em novembro. A empresa de transporte de propriedade do Grupo Lufthansa deixará de oferecer os produtos da empresa até abril de 2020.

Um porta-voz da companhia aérea admitiu que estava preocupado com a má imprensa associada ao debate da mídia em torno de Läderach e citou reclamações de clientes e funcionários.

Esta vitória dos LGBT e de outros grupos radicais ajudou a levar sua cruzada além das fronteiras da Suíça. Na Alemanha, onde a Läderach tem uma dúzia de lojas, a Federação de Lésbicas e Gays já sugeriu que “hotéis e restaurantes poderiam decidir retirar os produtos da Läderach de seu sortimento e explicar claramente o porquê”.

A diretora de comunicação da Aliança Evangélica Suíça, Daniela Baumann, disse que é “preocupante” que “mesmo neste país os casos em que a liberdade religiosa é questionada abertamente estão em ascensão”.

Baumann acrescentou que é necessário “refletir sobre como chamar a atenção, de maneira adequada, para a crescente intolerância – e até violência – com a qual os cristãos que se apegam a certos valores e opiniões, como a proteção da vida, são confrontados ”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus