Montagem da bandeira do Cazaquistão com mãos postas e uma Bíblia
Montagem da bandeira do Cazaquistão com mãos postas e uma Bíblia

Os evangélicos manifestaram “grave preocupação” com a atual agitação política e social no Cazaquistão.

Dezenas de manifestantes foram mortos nos últimos dias na pior violência a atingir o país da Ásia Central nos 30 anos desde que conquistou a independência.

Prédios públicos foram saqueados e cerca de 2.000 pessoas foram presas pelo Ministério do Interior.

Karim Masimov, ex-chefe de segurança nacional, foi detido na quinta-feira da semana passada acusado de alta traição.

O presidente Kassym-Jomart Tokayev convidou as forças russas para restaurar a ordem em um movimento questionado pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. Tokayev anunciou que as tropas da Rússia começarão a deixar o país amanhã.

A Aliança Evangélica Mundial (WEA) e a Aliança Evangélica da Ásia Central (CEAE) emitiram um apelo conjunto pela paz, no qual exortam os funcionários do governo a tomar medidas para diminuir a escalada da agitação.

A declaração do Secretário-Geral da WEA, Bispo Dr. Thomas Schirrmacher, e do Secretário-Geral da CAEA, Rev. Peter Kremeruk, pedem a cessação imediata da violência e o início de um processo de diálogo.

“Existem muitos desafios em todo o mundo com os contínuos impactos econômicos do Covid-19 que levaram a tensões em muitas nações”, disseram eles.

“No entanto, pedimos aos funcionários do governo no Cazaquistão que diminuam a agitação social e pedimos aos cidadãos do Cazaquistão que expressem suas queixas pacificamente.

“Pedimos especificamente que todos os envolvidos no conflito se envolvam em um processo de diálogo, trabalhando para uma paz e reconciliação duradouras e uma resolução para os problemas subjacentes.

“Garantimos ao povo cazaque nossas orações sinceras neste momento”.

Folha Gospel com informações de The Christian Today


Comentários