Descrito como a obsessão de Martin Scorsese, “Silence” terá sua estreia diretamente do Vaticano nesta terça (29), informou o jornal britânico “The Guardian”.

De acordo com a publicação, o papa não deverá comparecer à sessão, que terá a presença de 400 padres jesuítas, mas deve encontrar com o diretor separadamente.

No filme, Liam Neeson interpreta um padre jesuíta que desaparece no Japão do século 17 e tem sua fé questionada pela Igreja.

A adaptação da obra homônima, publicada em 1966 pelo japonês Shusaku Endo (ed. Planeta), é tida como o projeto dos sonhos do cineasta, que estaria trabalhando no filme há cerca de trinta anos.

Inspirado no romance histórico, o filme aborda a intolerância religiosa no país durante o período Edo e relata a arriscada empreitada de dois jesuítas portugueses (Andrew Garfield e Adam Driver) em busca do seu mentor (Neeson).

O livro narra como os japoneses costumavam torturar os católicos que tentavam pregar no país –mergulhá-los em água fervente e submetê-los a rituais de negação da fé, como pisotear crucifixos, eram algumas das práticas.

Dezenas de milhares de cristãos japoneses foram perseguidos, torturados e mortos durante os mais de dois séculos que a religião foi banida no país.

A adaptação só chega aos cinemas no dia 23 de dezembro, mas já é considerada um forte concorrente ao Oscar –se vencer, será o segundo de Scorsese, que já levou o prêmio da Academia por “Os Infiltrados”, em 2006.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]