Bandeira da França
Bandeira da França

O Ministério da Educação da França proibiu o uso de linguagem “inclusiva” de gênero, afirmando que isso prejudica o processo de aprendizagem da língua francesa.

O Ministério da Educação enviou um decreto para escolas em todo o país da Europa Ocidental em um esforço para acabar com o uso de pontos médios, pontos semelhantes a pontos que são colocados no meio das palavras, separando a maior parte da palavra de seu final, que a designa como masculino ou feminino. Os pontos médios são usados ​​no lugar de terminações masculinas e femininas de palavras. A Academia Francesa, instituição encarregada de preservar a língua, afirmou que as palavras “inclusivas de gênero” são “prejudiciais” à prática e à compreensão da língua francesa.

Na língua francesa, as terminações masculinas são geralmente mais prevalentes nos substantivos.

“Por exemplo, um grupo de amigos incluindo cinco mulheres e um homem seria escrito como ‘amis’, mas um ponto médio mudaria a grafia da palavra para ‘ami.es'”, de acordo com a Newsweek.

O decreto do Ministério da Educação afirma que o uso de pontos médios cria confusão durante o aprendizado da língua, especialmente para as crianças.

O decreto, traduzido pelo Google Translate, afirma: “A escrita dita ‘inclusiva’ deve ser evitada, que usa o ponto médio para revelar simultaneamente as formas feminina e masculina de uma palavra usada no masculino quando é usada em um sentido.”

“Além disso, essa escrita, que resulta na fragmentação de palavras e acordos, constitui um obstáculo para a leitura e compreensão da palavra escrita. A impossibilidade de transcrever verbalmente textos com esse tipo de escrita dificulta a leitura em voz alta, bem como a pronúncia e, consequentemente, o aprendizado , especialmente para os mais novos.”

Em uma entrevista ao Le Journal du Dimanche, o ministro da Educação da França, Jean-Michel Blanquer, disse que usar pontos médios é um problema, especialmente para alunos com dificuldades de aprendizagem. Colocar pontos no meio das palavras representa uma barreira para o ensino da língua [francesa] “, disse. Em resposta ao decreto, o sindicato dos professores franceses Solidaires Unitaires Démocratiques Education Union acusou Blanque de impor seu “atraso” e exortaram a desconsiderar a ordem.

Outros funcionários da educação dizem que o uso de pontos médios para fins de inclusão de gênero sinaliza uma “derrota” da língua francesa e desencoraja as pessoas de aprendê-la completamente, à luz do crescente domínio do inglês em todo o mundo.

“Com a disseminação da escrita inclusiva, a língua inglesa – já quase hegemônica em todo o mundo – certamente, e talvez para sempre, derrotaria a língua francesa”, disse Nathalie Elimas, secretária estadual de Educação Prioritária, ao Daily Mail no início deste mês.

A linguagem inclusiva de gênero não emprega pontos médios em inglês, pois muitos substantivos não possuem gênero. O que aconteceu em países de língua inglesa é a adoção de termos amigáveis ​​aos transgêneros que obscurecem o sexo do corpo, como dizer “pessoas grávidas” ou “corpos de parto” para incluir mulheres que se identificam como homens.

Folha Gospel com informações de The Christian Post