Os esforços de grupos terroristas para islamizar a República Democrática do Congo têm levado cristãos à morte no país. (Foto: World Watch Monitor)
Os esforços de grupos terroristas para islamizar a República Democrática do Congo têm levado cristãos à morte no país. (Foto: World Watch Monitor)

Um suposto terrorista suicida islâmico de um grupo rebelde alinhado com o Estado Islâmico matou pelo menos seis pessoas, incluindo crianças, e feriu mais de uma dúzia de outras quando usou um dispositivo explosivo para se matar na entrada de um restaurante movimentado onde o Natal estava sendo celebrado na República Democrática do Congo.

Após o ataque do dia de Natal a um restaurante chamado In Box na cidade de Beni, na província oriental de Ituri, cadeiras verdes podiam ser vistas espalhadas pela estrada, algumas derretidas ou fumegantes, e quatro corpos, incluindo o de uma menina, de acordo com a Reuters, que disse que seis pessoas morreram e 14 ficaram feridas, incluindo duas autoridades locais. Imagens foram compartilhadas nas redes sociais.

“Eu estava sentado lá. Havia uma motocicleta estacionada lá. De repente, a motocicleta decolou e ouviu-se um barulho ensurdecedor”, disse à AFP o apresentador de rádio local Nicolas Ekila.

“O homem-bomba, impedido por seguranças de entrar em um bar lotado, ativou a bomba na entrada do bar”, disse o porta-voz do governador regional, Général Ekenge Sylvain, em um comunicado.

Uma agência congolesa parceira da organização americana de perseguição International Christian Concern (ICC) qualificou a explosão de “uma ação de terror”, dizendo que o grupo rebelde islâmico Forças Democráticas Aliadas pode estar por trás dela.

O mortal grupo rebelde tem atacado cristãos e entrado em confronto com o exército nas províncias de Nord Kivu e Ituri, que estão em “estado de sítio” desde maio. Os militares, que assumiram o controle efetivo das duas províncias, ainda não conseguiram conter os ataques das milícias armadas.

O bispo anglicano da diocese de Beni descreveu o ataque do dia de Natal como uma “atividade de covardia realizada por rebeldes fracos que querem fazer seguidores de sua fé pela força”, disse o ICC.

“Recentemente, os ataques foram apenas… nas aldeias onde não há vigilância de segurança suficiente… mas agora parece que os terroristas estão tentando fazer uma declaração de que ainda estão presentes até mesmo nas cidades”, disse o bispo. “Eles escolheram o hotel porque sabiam que muitas pessoas se reuniam à noite para continuar celebrando o Natal. Hoje, as igrejas se reuniram como de costume para começar o feriado de Natal … mas agora as coisas deram um novo rumo. No entanto, não devemos permitir que o medo diminua a alegria de Cristo nesta época, e devemos orar com as famílias dos mortos hoje.”

O parceiro local da ICC também chamou o ataque de “inesperado porque estamos acostumados a ouvir incidentes de cristãos sendo mortos nas aldeias”.

“A última vez que tivemos tais ataques terroristas nesta cidade de Beni foi em maio e junho, onde os agressores também plantaram bombas em igrejas, mas isso foi impedido pelas forças governamentais”, lembrou a fonte. “Em junho, uma mulher foi morta e outras feridas quando uma bomba plantada dentro de uma igreja explodiu. Outra bomba explodiu em um bar que matou várias pessoas.”

O grupo rebelde, contra o qual Congo e Uganda lançaram uma operação conjunta em 30 de novembro, matou centenas de cristãos e deixou milhares de desabrigados e deslocados este ano.

Folha Gospel com informações de The Christian Post


Comentários