Cardeal Vincent Nichols foi acusado de não mostrar compaixão para com as vítimas de abuso sexual.
Cardeal Vincent Nichols foi acusado de não mostrar compaixão para com as vítimas de abuso sexual.

A Igreja Católica “fez vista grossa” ao abuso infantil e estava mais preocupada em proteger sua reputação do que em garantir o bem-estar das crianças, concluiu um relatório independente. 

O relatório do Inquérito Independente sobre o Abuso Sexual de Crianças (IICSA) disse que a Igreja “traiu” seu próprio propósito moral de cuidar dos inocentes e vulneráveis, permitindo que padres abusadores atacassem as crianças. 

“Organizações de fé são diferenciadas da maioria das outras instituições por seu propósito moral explícito. A Igreja Católica Romana não é diferente”, diz o relatório.

“No contexto do abuso sexual de crianças, esse propósito moral foi traído ao longo de décadas por aqueles na Igreja que perpetraram esse abuso e aqueles que fizeram vista grossa a ele.

“A negligência da Igreja em relação ao bem-estar físico, emocional e espiritual de crianças e jovens em favor de proteger sua reputação estava em conflito com sua missão de amor e cuidado pelos inocentes e vulneráveis.”

De acordo com o relatório de 147 páginas, a Igreja Católica recebeu mais de 900 queixas envolvendo mais de 3.000 casos de abuso sexual infantil na Inglaterra e no País de Gales entre 1970 e 2015. 

Desde 2016, houve mais de 100 denúncias relatadas por ano. 

Mas o relatório diz que o abuso foi “varrido para debaixo do tapete” e que “a resistência à investigação externa foi generalizada”, o que significa que “a verdadeira escala do abuso sexual infantil é provavelmente maior do que esses números”. 

Também acusa a Igreja de não apoiar as vítimas, ao mesmo tempo que procura proteger os agressores.

“As evidências nesta investigação revelaram uma história lamentável de abuso sexual infantil na Igreja Católica Romana na Inglaterra e no País de Gales”, disse o relatório.

“Tem havido muitos exemplos de padres e monges abusivos que atacam crianças por longos períodos de tempo.

“As respostas às revelações sobre o abuso sexual foram caracterizadas por uma falha em apoiar as vítimas e sobreviventes, em total contraste com a ação positiva tomada para proteger os supostos perpetradores e a reputação da Igreja.” 

Em outra parte, o relatório afirma que “pouco progresso foi feito para garantir que as vítimas e sobreviventes tenham acesso ao apoio pastoral e terapêutico”. 

O relatório não poupa o líder católico, o cardeal Vincent Nichols, acusado de não demonstrar compaixão pelas vítimas.

“Como líder mais antigo da Igreja Católica Romana na Inglaterra e no País de Gales, os católicos esperam que o cardeal Nichols dê o exemplo”, disse o IICSA.

“Durante a última audiência pública em novembro de 2018, ele se desculpou pelas falhas da Igreja, observando que isso foi uma fonte de ‘grande tristeza e vergonha para mim e, na verdade eu sei, para a Igreja Católica’.

“Mas não houve reconhecimento de qualquer responsabilidade pessoal de liderar ou influenciar a mudança. Ele também não demonstrou compaixão pelas vítimas nos casos recentes que examinamos.”

Acrescenta: “Seu reconhecimento de que ‘há muito para alcançarmos’ se aplica tanto a ele quanto a todos os outros na Igreja.

“Ele nem sempre exerceu a liderança esperada de um membro sênior da Igreja, às vezes preferindo proteger a reputação da Igreja Católica Romana na Inglaterra e País de Gales e em Roma.”

Comentando as descobertas, o professor Alexis Jay OBE, Presidente do Inquérito, disse: “Por décadas, o fracasso da Igreja Católica em lidar com o abuso sexual infantil confiou muito mais crianças ao mesmo destino.

“É claro que a reputação da Igreja foi valorizada acima do bem-estar das vítimas, com denúncias ignoradas e agressores protegidos.

“Ainda hoje, as respostas da Santa Sé parecem estar em desacordo com a promessa do Papa de agir sobre este problema extremamente importante.

“Embora algum progresso tenha sido feito, ainda precisa haver uma mudança duradoura na cultura e nas atitudes para evitar a repetição dos erros do passado.”

Em resposta ao relatório, o cardeal Nichols e Malcolm McMahon, vice-presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Inglaterra e País de Gales, disseram: “Pedimos desculpas a todas as vítimas e sobreviventes que não foram devidamente ouvidos ou apoiados por nós.

“Ouvindo com humildade aqueles que sofreram, podemos contribuir para a cura das feridas do abuso, bem como aprender com as pessoas mais diretamente afetadas como devemos melhorar os padrões, políticas e procedimentos de proteção da Igreja”.

Eles continuaram: “O abuso é um ato perverso contra os mais vulneráveis; nunca deve ser desculpado ou encoberto. Os abusos cometidos contra crianças e os consequentes danos à vida das pessoas não podem ser desfeitos. Por isso, pedimos desculpas sem reservas e nos comprometemos para ouvir com atenção as vozes daqueles que foram abusados.

“Este relatório é um momento importante em nossa jornada de salvaguarda na Igreja Católica em nossos países. Agora será considerado em detalhes por nós, os Bispos, em nossa Assembleia Plenária que começa na próxima semana, para que possamos explorar como integrar as conclusões deste importante inquérito sobre a vida e obra da Igreja a fim de salvaguardar consistentemente as crianças e os vulneráveis. ”

Folha Gospel com informações de The Christian Today