A Igreja Católica do Paraguai pediu ontem “compreensão e perdão” por ter pedido a renúncia do ex-presidente Fernando Lugo durante o desenvolvimento do julgamento político que terminou com seu impeachment.

Na noite de 21 de junho, durante o processo político de apenas dois dias, o presidente da Conferência Episcopal Paraguaia (CEP), monsenhor Claudio Giménez, e outros dois prelados visitaram Lugo para pedir que ele apresentasse sua renúncia para evitar um suposto cenário de violência que se configurava.

“Julgamos que foram cometidos erros, pedimos a compreensão e o perdão”, apontou uma mensagem enviada nesta sexta pela Conferência dos Bispos, acrescentando que “nossas limitações foram reconhecidas”.

A mensagem acrescentou que a atuação de alguns bispos da CEP “deveu-se à notícia de um iminente derramamento de sangue” e que, diante disso, a Igreja “quis evitar que houvesse outro ato criminosos entre irmãos”.

O “outro ato” se refere ao então recente enfrentamento entre camponeses e policiais que deixou um total de 17 mortos e que foi o principal argumento para o impeachment contra Lugo.

Sacerdotes, bispos e fiéis questionaram na ocasião o pedido de renúncia realizado em um momento político tão crítico.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]