A pastora Joaquina Nhanala, 51 anos, foi eleita bispa da Igreja Metodista Unida de Moçambique durante a Conferência Central da África, reunida em Mutare, Zimbábue, dias 22 a 24 de julho. Ela sucederá o bispo João Somane Machado, que ingressa na aposentadoria a partir do dia 1. de setembro.

Casada com o pastor metodista Eugênio Tomas, mãe de quatro filhos adultos, Joaquina é pastora da Igreja Metodista Unida de Moçambique, no bairro de Mapula, da capital. Ela é a única pastora da igreja moçambicana que tem título de mestrado em Teologia, país onde seminaristas precisam emprestar Bíblias entre si para poder estudar.

Joaquina coordenou projeto de mulheres na igreja nacional e liderou programa de educação e apoio a pessoas portadoras do HIV/Aids. Ela foi ordenada diácona em 1989 e bacharelou-se em 1995. Em 1998, a pastora concluiu pós-graduação em Estudos Bíblicos em Nairóbi. A bispa eleita fala português, inglês e cinco idiomas nativos.

A Igreja Metodista Unida de Moçambique, informa a repórter Linda Bloom, do serviço de imprensa metodista, triplicou a membresia nos últimos 13 anos. Hoje, ela tem mais de 150 mil membros e 170 congregações em 23 distritos. Como bispa, Joaquina supervisionará 29 escolas, um escola teológica, programas de agricultura, um hospital, duas clínicas, um seminário e quatro escolas bíblicas.

O bispo Eben Nhiwatiwa foi reeleito presidente da Igreja Metodista no Zimbábue. A Conferência Central da África congrega as áreas episcopais das igrejas do Zimbábue, Angola e Moçambique, a Conferência Missionária de Mali, e a área episcopal de Uganda, Quênia, Ruanda, Burundi e o sul do Sudão.

Fonte: ALC