As Igrejas Católica e Evangélica da Alemanha registraram um recorde de entradas em 2015, com um montante de 11,5 bilhões de euros, não obstante a diminuição no número de fieis. Em relação à 2014 (10,8 bilhões de euros), houve um incremento de cerca 692 milhões de euros, ou seja, cerca de 6,4%.

Os dados oficiais da Igreja Católica estão publicados no site da Conferência Episcopal desde início de maio. Se a receita em 2014 foi de 5,7 bilhões de euros, em um incremento em 2015 de 7,1%, chegando aos 6,1 bilhões. Em termos de comparação, a Igreja Católica na vizinha Áustria registrou entradas de 435 milhões de euros.

A Igreja Evangélica na Alemanha, por sua vez, teve um incremento de cerca de 5,7%, num valor que chegou a 5,4 bilhões de euros em 2015 (5,1 milhões em 2014).

A principal causa para o incremento nas entradas é o aumento geral dos salários e dos ganhos na Alemanha, com consequente aumento na receita fiscal, visto o desenvolvimento positivo do país.

Os membros das duas maiores Igrejas alemãs pagam entre 8 e 9% de seus rendimentos brutos como taxa para a Igreja (Kirchensteuer).

Normalmente, a coleta é realizado por meio do Escritório dos Impostos do Estado e então distribuída às Igrejas. O Estado, por sua vez, retém cerca de 3% dos rendimentos fiscais.

[b]Fonte: Rádio Vaticano[/b]