O sequestro de cristãos em troca de resgate continua a ser predominante no Iraque. Agora, as leis propostas no Curdistão iraquiano podem tornar ilegal a difamação da religião, que terá como principal alvo os cristãos e outras minorias religiosas.

Cristãos continuam sendo alvos fáceis para a violência no Iraque, como uma comunidade de minoria com capacidade limitada para retaliações. Muitas vezes, a solução está em manter contatos fora do país, que podem ajudá-los a atender pedidos de resgate.

Uma questão ainda mais preocupante na região, diz respeito a uma nova lei proposta na área autônoma curda do norte do Iraque. Em 11 de maio, a Comissão do Parlamento do Curdistão para Doações Religiosas e Assuntos Religiosos anunciou a conclusão de um projeto de legislação para “proteger santidades.” Se aprovada, esta lei seria usada contra qualquer um que seja considerado difamando a religião.

O projeto não protege, especificamente, o Islã sobre o cristianismo ou outras religiões reconhecidas. No entanto, com base em precedentes de casos de difamação religiosa em outros lugares, os cristãos temem que, na prática, a nova lei seja utilizada, principalmente, para promover sanções contra aqueles cujas palavras ou ações são interpretadas como anti-islâmicas. O Parlamento ainda não definiu data para a votação de aprovação da legislação.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]