Ratinho, apresentador do SBT
Ratinho, apresentador do SBT
Ricardo Feltrin
Colunista do UOL

Uma ação iniciada em 1999 teve seu desfecho na semana passada, no STJ (Superior Tribunal de Justiça). Naquele ano, recém-contratado pelo SBT, Ratinho exibiu uma matéria “inventada” que culminou em danos morais a dois padres e um noivo.

A história falava que um morador da cidade de Astorga (Paraná) havia largado a mulher para ir morar com o padre que celebrou seu casamento.

Além da notícia não ser verídica, o programa de Ratinho no SBT exibiu a imagem de um outro padre.

Os dois padres entraram na Justiça pedindo indenização por danos morais e acabaram vencendo, finalmente, após duas décadas, segundo informou com exclusividade neste domingo o colunista Lauro Jardim, de “O Globo”.

Não cabe mais recurso à sentença.

Procurado pela coluna, o SBT informou, por meio de sua assessoria, que não comentaria a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Também procurado pela coluna, o apresentador Carlos Massa, o Ratinho, não se pronunciou até o momento.

Problemas nos tribunais

Não é a primeira vez que Ratinho e o SBT sofrem ações na Justiça de pessoas que se sentiram ofendidas com declarações ou matérias.

Em 2012, o apresentador e a emissora de Silvio Santos foram condenados a indenizar o ex-jogador da Seleção Paulo Roberto Falcão em mais de R$ 300 mil.

O motivo foi uma entrevista que o programa fez com a ex-mulher de Falcão, que o acusava de ter “sequestrado” o filho do casal, retirando-o ilegalmente dos EUA e trazendo-o ao Brasil.

Há três anos o apresentador também enfrenta outro processo –muito mais volumoso– contra o Ministério da Fazenda. A ação é relativa a uma suposta dívida do apresentador com o Fisco no valor de R$ 74 milhões. A defesa do apresentador discorda desse cálculo e está recorrendo.

A Fazenda chegou a pedir a penhora de bens de Ratinho como garantia. O processo ainda está em andamento.

Fonte: Coluna do Ricardo Feltrin – UOL