O autor do projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Hétero é Carlos Apolinario, do DEM, membro da igreja Assembleia de Deus.

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) decidiu vetar o projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Heterossexual em São Paulo. Para Kassab, a medida é “despropositada”.

Kassab confirmou o veto ao projeto em entrevista ao jornal “Agora São Paulo”, do Grupo Folha, que lança hoje seu novo projeto gráfico.

Na primeira manifestação sobre o tema, dois dias após a aprovação, Kassab disse que o projeto não incentivaria a homofobia. “É um projeto como outro qualquer”, afirmou o prefeito na ocasião.

Em menos de dez dias, Kassab mudou de opinião.

“O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar”, disse o prefeito na entrevista ao “Agora São Paulo”.

Para ele, faz sentido que mulheres, negros e outras minorias raciais que sofreram brutalidades e ofensas tenham seus dias no calendário. “Estas datas, sim, têm sentido, pois estimulam a tolerância e a paz.”

O autor do projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Hétero é Carlos Apolinario, do DEM, partido que Kassab deixou para fundar o PSD. Ontem, a nova legenda fez sua convenção nacional em São Paulo e elegeu Kassab como seu presidente nacional.

Apolinario, membro da igreja Assembleia de Deus, disse ontem, em artigo na Folha, que seu objetivo com foi “debater o que é direito e o que é privilégio”. Para ele, o Dia do Orgulho Hétero não incentiva a homofobia.

O projeto foi aprovado no início do mês em votação simbólica na Câmara. Dos 50 vereadores presentes, 19 se manifestaram contra.

A aprovação foi fruto de um acordo entre Apolinario, o líder do PT, Italo Cardoso, e o presidente da Câmara, José Police Neto (sem partido).

Apolinario estava obstruindo todas as votações na Casa até que fosse votado seu projeto. Para desobstruir as votações, Cardoso aceitou colocar o projeto na pauta e não pedir votação nominal, o que inviabilizaria a aprovação, desde que pudesse manifestar a contrariedade da bancada petista.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]