As declarações do ex-presidente Lula (PT) de que, no Brasil, “não existe ninguém mais honesto” que ele, “nem na igreja evangélica”, repercutiu negativamente entre lideranças de denominações pentecostais.

[img align=left width=300]http://i1.wp.com/noticias.gospelmais.com.br/files/2016/01/luis-inacio-lula-da-silva.jpg[/img]Nas redes sociais, pastores como Marco Feliciano (PSC-SP), Silas Malafaia e Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) reagiram à fala do ex-presidente.

“Uma afronta a todos nós!”, resumiu Feliciano, pastor da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento e deputado federal, em uma publicação no Twitter.

O pastor Silas Malafaia também usou as redes sociais para comentar a fala de Lula: “Piada! Lula roubou o discurso de [Paulo] Maluf. ‘Não existe gente mais honesta que eu’. Vai ser cínico lá no raio que o parta, um palhaço mentiroso”, esbravejou.

O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) voltou ao tema um dia depois, ainda indignado: “Lula diz que não tem ninguém mais honesto que ele, até o diabo ficou revoltado com ele kkkkkkkk muito kkkk otário falastrão cínico kkkkk”, escreveu.

Sóstenes Cavalcante, que exerce mandato de deputado federal, também reagiu à fala do ex-presidente: “Os tempos mudaram. As pessoas não são mais desinformadas. Sabem que essa é uma estratégia sua para se descolar do PT, que é um partido de ladrões. Ladrões condenados pelo STF”, afirmou, em uma publicação nas redes sociais.

Cassio Conserino, promotor de Justiça de São Paulo, acredita que as investigações contra o ex-presidente Lula no caso de um apartamento tríplex que a construtora OAS reservou para ele já possuem indícios suficientes para denunciá-lo por lavagem de dinheiro.

De acordo com informações da revista Veja, o promotor avalia que as apurações do caso já conquistaram embasamento legal para o início de um processo contra Lula, pois as provas de que a construtora procurou favorecer o ex-presidente são fortes.

No entanto, o líder petista ainda terá oportunidade de se defender na continuidade das apurações para tentar evitar a abertura de um processo.

[b]Fonte: Gospel Mais[/b]