Letras do Movimento LGBT nas mãos de uma criança
Letras do Movimento LGBT nas mãos de uma criança

Uma mãe cristã está tomando medidas legais contra uma escola primária de Londres que não levou a sério, a queixa que ela fez contra um evento do orgulho LGBT.

Izzy Montague é uma das mães que reclamaram depois que seus filhos foram supostamente forçados a participar de um evento do “orgulho gay” realizado na Escola Primária Heavers Farm, no sudeste de Londres, em junho passado.

Ela afirma que foi tratada com desdém e vitimada depois de reclamar sobre a natureza do evento e a política da escola de não permitir que os pais optem por seus filhos.

Montague moveu uma ação legal formal contra a escola e o Conselho de Croydon, alegando violação dos seus direitos parentais, vitimização e assédio por parte da escola.

Uma queixa separada apresentada contra o Secretário de Estado da Educação, Damian Hinds, pede que ele “use a sua autoridade para remediar a natureza generalizada do proselitismo LGBT dentro da Escola Primária Heavers Farm”.

“Depois que eu reclamei que meu filho pequeno foi forçado a se apresentar em um evento que contraria nossas crenças cristãs, a atitude da escola em relação a mim mudou completamente. Eu conheço outros pais que têm medo de falar por causa da forma como a escola passou a me tratar”, disse Montague.

“Foi como estar sendo intimidada. Eles pararam de me tratar como qualquer outro pai, mas eram antagônicos comigo. Acredito que eles me revidaram, excluindo-me injustamente das instalações, vitimando meu filho e não levando a sério minhas preocupações”.

“Eu não estava nem tentando parar o evento. Eu só queria que meu filho recebesse uma educação, ao invés de doutrinação.”

Andrea Williams, diretora-executiva do Centro Legal Cristão, que apóia o desafio legal da deputada Montague, disse que seu caso demonstrou a importância de proteger os direitos de “exclusão” dos pais. 

“O desprezo demonstrado a Izzy e muitos outros pais quando eles levantaram preocupações só será multiplicado se o governo prosseguir com os planos para tirar essas liberdades”, disse ela. 

A Escola Primária Heavers Farm não se pronunciou sobre o caso.

Folha Gospel com informações de The Christian Today