Placa do Christian Aid Ministries no Haiti
Placa do Christian Aid Ministries no Haiti

Mais três dos 17 missionários do Christian Aid Ministries sequestrados no Haiti em 16 de outubro foram libertados na noite de domingo, anunciou ontem, o ministério de ajuda internacional com sede em Ohio, enquanto pede que continuem orando por 12 colegas ainda mantidos em cativeiro pela gangue 400 Mawozo.

“Somos gratos a Deus por mais três reféns terem sido libertados na noite passada”, disse o Christian Aid Ministries em um comunicado na manhã desta segunda-feira.

“Os que foram libertados estão seguros e parecem estar de bom humor”, acrescentou a organização. “Tal como acontece com a versão anterior, não podemos fornecer os nomes das pessoas libertadas, as circunstâncias da libertação ou quaisquer outros detalhes.”

A organização sem fins lucrativos pediu aos apoiadores que participassem de jejuns e orações pelos próximos três dias pelos reféns restantes.

“Por favor, continuem a interceder por aqueles que ainda estão detidos, bem como por aqueles que foram libertados”, diz o comunicado. “Desejamos que todos os reféns se reencontrem com seus entes queridos. Obrigado pelo seu apoio em oração. ”

A notícia chega apenas duas semanas depois que a gangue libertou dois missionários descritos como adultos doentes.

Uma fonte disse ao The Miami Herald que nenhum resgate foi pago, embora o líder da gangue de 400 Mawozo, Wilson Joseph, tenha ameaçado matar todos os missionários se seu grupo não recebesse US $ 1 milhão cada pela sua libertação.

Quando ocorreu o sequestro, o grupo sequestrado incluía seis homens, seis mulheres e cinco crianças, dos quais 16 são americanos e um é canadense. Eles variam em idade de 8 meses a 48 anos.

Enquanto as negociações para sua libertação estavam em andamento entre a gangue e funcionários do Haiti e dos governos dos Estados Unidos, um vídeo de Joseph circulou nas redes sociais mostrando que o chefe do crime não estava satisfeito com o ritmo das negociações.

“Juro por um trovão que, se não conseguir o que estou pedindo, vou colocar uma bala na cabeça desses americanos”, Joseph ameaçou no final de outubro, de acordo com uma tradução citada pela Bloomberg Quicktake.

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse em uma coletiva de imprensa no final do mês passado que o presidente Joe Biden continuou a ser informado diariamente sobre a situação dos missionários e observou que o presidente está particularmente preocupado com as cinco crianças que foram sequestradas.

“Eu pessoalmente atualizo essa questão todos os dias para o presidente, que está profundamente interessado em garantir que cada uma dessas pessoas chegue em casa com segurança”, disse Sullivan.

Pouco depois do sequestro, três agentes do FBI foram enviados ao Haiti. Desde então, Sullivan disse que os EUA enviaram “um número significativo de especialistas em aplicação da lei e especialistas em recuperação de reféns para trabalhar em estreita colaboração com o ministério, as famílias e o governo haitiano para tentar coordenar e organizar uma recuperação”.

“Estamos examinando todas as opções possíveis de como fazer isso”, explicou Sullivan. “Serei sensível ao que obviamente é uma situação delicada, não vou dizer mais nada aqui, a não ser que colocamos os ativos e recursos no local que acreditamos podem ajudar a levar isso a uma conclusão bem-sucedida.”

Folha Gospel com informações de The Christian Post


Comentários