Fiéis durante culto em igreja
Fiéis durante culto em igreja

A pandemia COVID-19 acelerou o declínio na frequência à igreja, mesmo entre os frequentadores regulares, mostra uma pesquisa recente.

Cerca de um em cada cinco frequentadores da igreja (22% adultos que frequentam as igrejas, 19% cristãos praticantes) disse que nunca compareceu a um culto durante a pandemia, seja pessoalmente ou online, descobriu a Barna Research. Antes da pandemia, todos os cristãos praticantes e a maioria dos adultos que frequentam as igrejas relataram ter frequentado a igreja pelo menos uma vez nos últimos seis meses.

“De maneira geral nos dados, estamos vendo que há um declínio no envolvimento da igreja durante a pandemia da COVID-19”, disse o diretor de pesquisas publicadas de Barna, Savannah Kimberlin, ao The Christian Post.

Parte da queda na frequência pode vir de pessoas mais velhas, que se sentem menos confortáveis ​​com atividades online, não se envolvendo com a igreja, mas a maioria vem de outra coisa, acredita Kimberlin. A queda na frequência da igreja segue um padrão de diminuição da frequência que começou em 2008.

“Quando olhamos para o envolvimento geral da igreja, houve um declínio lento nos últimos 10 anos”, disse ela. “Por volta de 2008, 2009 e 2010, uma tendência de queda começou, algo mudou em nosso país. A tendência tem sido de queda desde então.”

A pandemia aumentou essa tendência, disse ela.

“É quase como se a interrupção se multiplicasse da noite para o dia. Cinco anos de interrupção aconteceram ao longo de cinco meses”, disse Kimberlin.

A pesquisa entrevistou 1.302 adultos americanos em setembro. A Barna Research classificou os adultos em três grupos: cristãos praticantes que demonstraram sua fé passada com forte frequência à igreja, adultos que frequentam a igreja às vezes e adultos sem igreja que geralmente não frequentam a igreja.

Entre todos os adultos dos EUA, 53% disseram que nunca frequentaram a igreja pessoalmente ou digitalmente durante a pandemia. Apenas 19% compareciam semanalmente. Cerca de 73% dos cristãos praticantes e 60% dos adultos que frequentam as igrejas disseram que frequentaram a igreja pelo menos uma vez por mês durante a pandemia.

Antes da COVID-19 chegar aos Estados Unidos no início deste ano, todos os cristãos praticantes e 80% dos adultos que frequentam as igrejas disseram que frequentaram a igreja pelo menos no último mês.

A pesquisa observou que, embora muitos cristãos tenham dito que não “frequentavam” a igreja, seja pessoalmente ou digitalmente, alguns dos mesmos entrevistados relataram que “assistiram a um serviço religioso online”. Na verdade, 53% dos “desistentes”, ou adultos da igreja que disseram não ter frequentado a igreja de nenhuma forma, disseram que assistiam online.

No geral, 18% dos cristãos praticantes e 26% dos adultos que frequentam a igreja disseram que “assistiram” a um serviço religioso online.

A participação pessoal parece dividir a presença e a observação, disse Kimberlin.

“Muitas pessoas disseram que assistiram à igreja, mas nunca assistiram a um culto digitalmente. Não é o contrário”, disse ela. “O que decidimos é que realmente tudo se resume a engajamento. Você está consumindo um serviço passivamente ou está se sentindo conectado à sua comunidade? Você se sente presente e investido como um congregante?”

A pesquisa descobriu que, sem a experiência de estar com outros crentes, muitos cristãos não participam das ações físicas de adoração. Quando os cristãos praticantes assistem à igreja em casa, apenas 40% cantam junto com a adoração, 64% oram com os líderes e 42% assistem ao lado de sua família. Para os cristãos que não estão comprometidos, os números são ainda mais baixos, descobriu Barna.

Oito em cada 10 cristãos que vão à igreja disseram que experimentar Deus ao lado de outros na igreja era muito importante para eles, observou Kimberlin. A diminuição da participação na igreja começa com a diminuição da frequência, acrescentou ela.

Não está claro qual será o futuro da Igreja americana após COVID-19, disse Kimberlin. Muitos cristãos deixaram a igreja, mas alguns incrédulos ficaram mais interessados ​​em Deus.

“Teremos que esperar e ver se as pessoas que se afastaram da igreja voltarão”, disse ela. “Uma coisa que sabemos com certeza é que vamos ter que reconquistar algumas pessoas.”

Desde março, bloqueios em todo o país forçaram empresas e igrejas a fecharem suas portas em resposta ao novo coronavírus. Embora algumas regras tenham sido flexibilizadas ao longo dos meses, as autoridades de saúde relataram outra onda de infecções, levando alguns estados a impor mais restrições , incluindo limitar ou proibir a adoração em locais fechados.

Folha Gospel com informações de The Christian Post