Pastor João Feitosa morreu de covid-19, após mais de 100 dias internado em hospital de Brasília (Foto: Divulgação)
Pastor João Feitosa morreu de covid-19, após mais de 100 dias internado em hospital de Brasília (Foto: Divulgação)

O pastor da Assembleia de Deus de Gurupi, João da Cruz Gomes Feitosa, de 64 anos, morreu, na madrugada desta sexta-feira (9), após complicações causadas pela Covid-19. O líder religioso já havia perdido a filha para a doença, dois meses antes.

Feitosa foi levado a um hospital particular de Gurupi, no dia 11 de março, após testar positivo para o novo coronavírus. No dia 22 do mesmo mês, foi transferido para um hospital particular de Brasília, em uma UTI aérea. Na unidade, ficou internado por mais de 100 dias lutando pela vida.

A filha dele Ângela Márcia, de 42 anos, também foi transferida no dia 22 de março para o mesmo hospital. Ela não resistiu e morreu em abril.

O pastor deixa esposa, a pastora Maria Rosa de Sousa Gomes, três filhas e uma neta.

Consagrado a pastor em 21 de janeiro de 1984, João Feitosa é advogado e bacharel em Teologia. Presidiu a Igreja Assembleia de Deus – Madureira em Belém (PA) de 15 de janeiro de 1993 a janeiro de 1995.

Depois, liderou a Igreja Assembleia de Deus Campo de Barra do Garças (MT) de 22 de dezembro de 1994 a 31 de dezembro de 1999. Em 02 de janeiro de 2000, assumiu como presidente das Igrejas Assembleias de Deus, Ministério de Madureira de Gurupi.

Na cidade tocantinense, ele liderava 54 congregações e cerca de 10 mil fiéis.

Em nota, a OAB Tocantins lamentou a morte de Feitosa. “[Ele] militou na comarca de Gurupi e entregou sua vida a levar a palavra de Deus e a fazer o bem a todos que estavam a sua volta”, disse.

A secretária Estadual da Educação Adriana Aguiar também enviou nota de pesar. Ela destacou que no âmbito da educação, o líder “deixa um grande legado ao presidir o Instituto Educacional Evangélico Ebenézer, importante instituição de ensino que atendeu e atende a milhares de estudantes em Gurupi”.

Fonte: G1 Tocantins