Refugiados sírios recebendo ajuda da agência de refugiados da ONU em Trípoli, no norte do Líbano. (Foto: Reuters/Omar Ibrahim)
Refugiados sírios recebendo ajuda da agência de refugiados da ONU em Trípoli, no norte do Líbano. (Foto: Reuters/Omar Ibrahim)

Muitos muçulmanos estão se voltando para Jesus Cristo depois de escaparem do caos na Síria, de acordo com a organização Christian Aid Mission, que apoia refugiados sírios no Líbano.

“Apesar da miséria enfrentada pelas comunidades de refugiados, ainda vemos alegria em seus olhos quando falamos com eles sobre o amor de Deus, compartilhamos as boas novas e lemos a Bíblia juntos”, disse o diretor da organização, que não teve a identidade revelada.

“Ao experimentarem a cura e a liberdade através de Cristo, eles percebem que têm valor aos olhos do Senhor, que são especiais e que Jesus os ama infinitamente”, o diretor acrescenta.

Uma mulher identificada como Jana fugiu da Síria com o marido e os cinco filhos, depois que sua comunidade em Aleppo foi atingida por um bombardeio. Como milhões de outros sírios, eles fugiram para o Líbano e se depararam com muitas dificuldades, como a falta de emprego e abrigo.

As crianças também enfrentaram discriminação na escola por causa do “cansaço” dos libaneses pelo afluxo de refugiados. Até que uma reunião de oração deu uma nova perspectiva de vida à Jana.

“Eu costumava sofrer com depressão, mas o amor e a paz de Jesus em meu coração e minha casa me curaram. Eu gostaria de poder ficar na igreja dia e noite, porque sinto paz quando estou lá. Quero que minha família seja batizada logo”, disse ela.

Segundo o diretor do ministério, uma das principais dificuldades para os refugiados tem sido o fim do auxílio-alimentação pelas Nações Unidas em 2017, fazendo com que mais de 40% das famílias perdessem sua principal fonte de alimentos.

“A vida é especialmente difícil para as viúvas. Elas são forçadas a ir de uma organização a outra, implorando por comida para alimentar seus filhos, mesmo sofrendo grande humilhação no contexto cultural”, conta o diretor. “Essas crianças, que passaram por um reassentamento traumático, continuam inseguras”.

No ano passado, o Líbano hospedava pelo menos 1,5 milhão de refugiados sírios, representando quase um quarto da população total do país.

No relatório do Plano de Resposta às Crises, o Líbano informou que precisa de US$ 2,8 bilhões para enfrentar os desafios do acolhimento aos refugiados, o que está colocando uma grande pressão sobre a economia do país.

Fonte: Guia-me