Um estudo publicado recentemente na Proceedings of the Royal Society B alega oferecer uma nova perspectiva, com a incrível sugestão de que a religião representa uma forma de nos proteger contra doenças.

A idéia geral que embasa a teoria remonta a trabalhos clássicos de dois dos pais fundadores da sociologia, Emile Durkheim e Max Weber, que no começo do século 20 ofereceram explicações sobre como as religiões do mundo deram forma às sociedades que as praticavam e tomaram a forma dessas sociedades às quais estavam incorporadas.

Um grupo que mantenha elos estreitos tende a excluir os desconhecidos, e isso não é menos verdade sobre as religiões do que quanto a qualquer outro clube.

Corey Fincher e Randy Thornhill, da Universidade do Novo México, propõem razão específica para que algumas sociedades se beneficiem da insularidade religiosa: ela é uma forma de evitar doenças, afirmam.

“Há amplas provas”, escreveram os autores do estudo, “de que a psicologia do etnocentrismo tem correlação importante com evitar e administrar doenças infecciosas”.

Fonte: The New York Times