O projeto de lei visa trazer um momento de silêncio, para reflexão, independente de crenças.

Um projeto de lei nos Estados Unidos quer criar uma forma de oração que tenha o compromisso de incluir até mesmo a presença de ateístas, durante o momento de reflexão nas escolas públicas, de acordo com a proposta de políticos democratas da Carolina do Sul.

A princípio, o projeto de lei tinha a proposta dos professores realizarem um momento de fé apenas para quem quisesse, com uma oração todas as manhãs. No entanto, como a ideia desagradou alguns membros do comitê judiciário responsável por avaliar a emenda, uma nova sugestão de prece já surgiu.

Agora, a proposição teria em mente reunir os alunos para um momento de silêncio obrigatório, com o intuito de refletir e buscar sua paz interior, independente de qualquer credo, evitando assim a interpretação de uma imposição da Igreja sobre o Estado.

Segundo os idealizadores do projeto de lei, o importante não é induzir ninguém a nenhuma crença exclusiva, mas sim trazer a orientação de volta à escola para conscientizar os alunos de que é necessário para um momento de suas vidas para pensá-la em harmonia.

Em outro argumento, o projeto destaca a oportunidade das pessoas entrarem em um estado de tranquilidade, sobretudo nos dias de hoje com perturbações geradas pela rotina de estudo, trabalho ou constante vida virtual.

A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), um dos órgãos mais ativos em defesa de não-crentes, está de olho no projeto de lei, e ainda não se manifestou contra ou a favor da proposta de oração nas escolas públicas.

A única questão que a ACLU frisa interferir é manter o direito dos não-crentes sobre proteção, buscando sempre manter a liberdade de escolha e a diversidade do estado sem a interferência de orientações religiosas.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]