Extremistas fazem protesto violento contra cristãos na Índia. (Foto: asianews.it)
Extremistas fazem protesto violento contra cristãos na Índia. (Foto: asianews.it)

Um pastor no nordeste da Índia foi expulso de uma vila onde liderava um culto regular depois que nacionalistas hindus radicais o acusavam falsamente de se envolver em conversões ilegais. 

Com base na falsa acusação, a polícia local disse ao pastor que ele seria preso se retornasse à aldeia.

No domingo, 2 de fevereiro, uma multidão de nacionalistas hindus radicais interrompeu um culto cristão liderado pelo pastor Salit Barik na vila de Mayurbhanj, localizada no estado indiano de Odisha. Segundo os cristãos locais, a multidão abusou do pastor Barik com linguagem suja e o acusou de converter ilegalmente hindus ao cristianismo usando ” truques psicológicos “. A multidão acabou banindo o pastor Barik de Mayurbhanj e alertou que ele enfrentaria ” conseqüências terríveis ” se retornasse.

Depois de expulsar o pastor Barik da vila, os radicais passaram a registrar uma denúncia com a polícia local contra o pastor. Segundo o relatório dos radicais, o pastor Barik estava envolvido em conversões religiosas ilegais, violando a lei anti-conversão do estado.

A polícia confrontou o pastor Barik e disse que ele não poderia retornar a Mayurbhanj. Se o fizesse, a polícia disse ao pastor que ele seria preso. A polícia então tirou a foto do pastor Barik e a publicou no jornal local, rotulando-o de criminoso envolvido em conversões religiosas ilegais.

Devido a essa situação tensa, a comunidade cristã em Mayurbhanj foi forçada a realizar seus cultos sem o pastor.

Em toda a Índia, nacionalistas hindus radicais usam falsas acusações criminais para assediar comunidades cristãs. Reivindicações de conversões religiosas ilegais e blasfêmia são as falsas acusações mais usadas. A polícia local costuma apoiar os radicais e usar as falsas alegações para prender pastores, ignorar agressões e até fechar igrejas.

Folha Gospel com informações de International Christian Concern