As vítimas relataram que o suposto pastor queria forçá-las a manter relações sexuais mediante “revelação divina” que o suspeito alega ter tido.

A Polícia civil investiga um pastor de igreja intitulada “Igreja Pentecostal Virtude de Deus” por suposto charlatanismo, estelionato e prática de crimes sexuais contra jovens integrantes de uma família moradora da cidade de Lagoa Santa, situada na região metropolitana de Belo Horizonte.

Rubem Júlio de Barros, 50, foi preso em flagrante por policiais militares nesta terça-feira (29) na propriedade de uma moradora da localidade mineira em companhia de três filhas delas, uma moça de 18 anos e outras duas, de 16 e 11 anos. A mãe não estava em casa porque, segundo a polícia, teria ido vender em outra cidade um terreno, a mando do pastor, e repassaria o dinheiro à congregação da qual ele faz parte.

Conforme o delegado Almir de Carvalho, responsável pelo inquérito instaurado, a irmã mais velha conseguiu acionar a polícia. As vítimas relataram que o homem queria forçá-las a manter relações sexuais com ele mediante “revelação divina” que o suspeito alega ter tido.

“A polícia compareceu ao local e constatou, pelo depoimento delas, que ele tinha acariciado as partes íntimas das vítimas. Ele estava em um local escuro da propriedade com a mais nova. Por muito pouco, ele não conseguiu o seu intento baseado nessas ditas revelações”, afirmou o policial.

[b]Confiança[/b]

De acordo com o delegado Carvalho, o pastor Barros anteriormente teria induzido a mãe das vítimas, ao afirmar ser portador de “revelações divinas”, a se separar do marido e passou a influenciar os atos da mulher, que não teve o nome revelado.

“A mãe das meninas começou a frequentar essa igreja há uns quatro meses e ficou impressionada com a pregação desse dito pastor. Ele disse que teria tido uma revelação divina e, nos primeiros encontros com ela, após ter conquistado a confiança dela, disse que se ela não se separasse do companheiro, ela ou o marido teriam câncer”, afirmou o policial.

Ainda segundo o delegado, a mulher, de origem humilde, separou-se do marido e permitiu em seguida a presença do pastor na sua casa.
“Em um período de quatro meses, ela passou a seguir cegamente as orientações desse homem. Ele descobriu que ela tinha um terreno em outra cidade e, mediante nova revelação que teria recebido, orientou a mulher a vender a propriedade e repassar todo o dinheiro para a igreja”, descreveu o policial.

Segundo ele, a mulher estava na cidade onde fica a propriedade, para realizar o negócio, mas foi alertada pela polícia sobre a conduta do suspeito com as filhas dela e teria abortado a venda do terreno, retornando para Lagoa Santa.

[b]Assédio[/b]

O delegado responsável pelo caso ainda afirmou que, nos meses em que frequentou a casa, o homem constantemente assediava as filhas da mulher.

“O conjunto da obra mostra que ele premeditou tudo. Ele frequentava demais a casa e passou a interferir em demasia na vida dessa família. Ele vinha, há tempos, constrangendo a jovem de 18 e as adolescentes de 16 e 11 anos. Por telefone, ele chegou a dizer para a mais velha que estava se masturbando pensando nela. Ele ainda dizia que a levaria a um motel”, disse.

Conforme o delegado, as investidas do suspeito sempre eram lastreadas pelas supostas “revelações divinas”, que teriam a função de convencer as garotas a se relacionarem sexualmente com o homem.

Ainda de acordo com o relato de Carvalho, o pastor, em uma das ocasiões em que esteve na casa da família, teria introduzido o dedo na vagina da menina de 11 anos, que revelou o episódio após a prisão dele.

“Ele nega as acusações. Em outro momento, diz que não se lembra de nada”, disse o policial. O suspeito está preso na cidade à disposição da Justiça e, segundo o delegado, vai responder pelos crimes de estupro de vulnerável e crime sexual mediante fraude.

[b]Fonte: O Correio News[/b]