Segundo polícia, ele se passava por delegado geral da Polícia Civil do AM. Com ele foram apreendidos R$ 1.504, celulares, tablet e artigos de sex shop.

Um pastor de 40 anos foi preso, na Zona Leste de Manaus, suspeito de praticar agiotagem. Ele era investigado há aproximadamente 40 dias. O caso foi registrado pela Polícia Civil na sexta-feira (4) e divulgado nesta segunda (7).

Natural do município de Coari, o suspeito passou a ser quando foi denunciado por utilizar indevidamente o nome do delegado geral de Polícia Civil do Amazonas, Josué Rocha, para realizar a cobrança do dinheiro emprestado às vítimas.

Segundo uma testemunha, o pastor se apresentava como policial civil e ameaçava os devedores, argumentando que tinha a proteção do gestor da instituição para extorqui-los. “Ele tentava nos intimidar, dizendo que poderíamos ser presos se não pagássemos o que estávamos devendo”, relatou um dos denunciantes.

O suspeito foi autuado em flagrante no Terminal do São José (T5). Com ele, os policiais encontraram aparelhos celulares, um tablet, R$ 1.504 em espécie, uma carteira falsa de investigador da Polícia Civil, uma lista com a relação de possíveis clientes, artigos de sex shop, comprimidos de estimulantes sexuais e preservativos.

O pastor foi conduzido ao 9º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Ele deverá responder pelos crimes de corrupção ativa (por tentativa de suborno aos policiais durante a abordagem), falsidade ideológica, usurpação de função pública e estelionato. Após procedimento policial, o suspeito foi encaminhado para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus.

[b]Fonte: G1[/b]