Três representações criminais já foram levadas ao Ministério Público de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco contra o video “Especial de Natal”

A representação criminal movida pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP) contra o vídeo “Especial de Natal”, da produtora Porta dos Fundos vai ser investigada pela Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), da Polícia Civil de São Paulo.

[img align=left width=300]http://noticias.gospelprime.com.br/files/2014/01/porta-dos-fundos-320×180.jpg[/img]A acusação é sobre o teor do vídeo que satiriza a Sagrada Família. Na representação Feliciano escreveu que o conteúdo do vídeo é “altamente pejorativo, utilizando-se inclusive de palavras obscenas, e de forma infame atacou os dogmas cristãos e a fé de milhares de brasileiros que comungam deles, ferindo dialeticamente o direito fundamente à liberdade religiosa”.

Feliciano pede indenização de R$ 1 milhão ao grupo humorístico. A denuncia foi recebida pelo promotor de Justiça de Direitos Humanos José Paulo França Piva, que a encaminhou à Decradi. As investigações avaliarão o vídeo para saber se o conteúdo representa algum crime.

Além do deputado evangélico, outras denúncias foram feitas contra o vídeo. A Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, ligada à Igreja Católica, e o deputado federal Anderson Ferreira (PR) também procuraram o Ministério Público para denunciar criminalmente o vídeo.

Esse não foi o primeiro vídeo que colocou os humoristas do Porta dos Fundos em guerra contra religiosos. Em outras cenas eles já haviam criticado o cristianismo, como no vídeo “OH, Meu Deus”.

Ao UOL o grupo se defendeu dizendo que não desrespeitam nenhuma crença. “De maneira nenhuma temos o objetivo de desrespeitar a fé, nem ninguém de nenhuma religião. Temos muito cuidado ao fazer nosso trabalho e também temos nossas responsabilidades”, declarou João Vicente de Castro. O grupo espera uma notificação oficial sobre os processos abertos.

[b]Fonte: Gospel Prime[/b]