O prefeito Roberto Valadão (PMDB) se valeu do bom senso e firmou um termo de ajuste para abertura da Igreja Mundial do Poder de Deus, lacrada na última quinta-feira pela fiscalização, sob alegação de quebrar o código de postura na área da sonorização.

A reclamação foi promovida por um único morador ao lado do templo, do filho de um ex-prefeito, Gilberto Borelli.

Os evangélicos de todas as denominações já estavam ontem começando a se mobilizar para campanha de solidariedade aos fiéis que estavam realizando os cultos no meio da rua, em frente a igreja fechada. O secretário de governo, Glauber Valadão, autorizou o secretário de serviços urbanos, Antonio Rizzo, a proceder o cumprimento do termo de ajuste.

Som

O pastor José Aparecido Alves se comprometeu a não utilizar instrumentos sonoros até 31 de dezembro, período acordado para as adequações. Porém, diante das dificuldades enfrentadas, os líderes da Igreja Mundial do Poder de Deus, cujo presidente é o Bispo Valdomiro, de renome nacional, projeta mudar-se para outro lugar de culto.

O caso do lacre pela prefeitura chocou o povo evangélico, porque nunca antes um prefeito tinha tomado tal decisão, em detrimento de bares, boates, bingos e pontos de prostituição, hoje, ainda em pleno funcionamento e irregulares.

Fonte: Folha do Espírito Santo