Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, em pronunciamento nesta quinta-feira, 3 de março de 2022
Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, em pronunciamento nesta quinta-feira, 3 de março de 2022

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky prometeu nesta quinta-feira, 3, que a Rússia “não destruirá nossa fé, nossa crença sincera na Ucrânia e em Deus”.

Zelensky falava no momento em que a invasão russa da Ucrânia entrava em seu oitavo dia, e quando as notícias eram de que a cidade de Kherson, no sul da Ucrânia, que tem uma população de 280.000 habitantes, havia caído nas mãos das forças russas.

Ele disse que a Rússia aprenderia sobre ‘reparações’, dizendo: “Mesmo que você destrua todas as nossas catedrais e igrejas ucranianas, você não destruirá nossa fé, nossa crença sincera na Ucrânia e em Deus, a crença nas pessoas.

“Reconstruiremos cada casa, cada rua, cada cidade. E estamos dizendo à Rússia – aprenda as palavras ‘reparações’ e ‘contribuições’. Você nos pagará integralmente pelo que fez contra nosso estado, contra todos os nossos ucranianos.”

À medida que o ataque da Rússia à capital, Kiev, se tornou mais intenso, a região sul da Ucrânia tornou-se uma frente defensiva crítica contra os avanços da Rússia.

Moscou sitiou várias cidades por lá, considerando a região estrategicamente vital para o sucesso de toda a invasão.

Ganhar o controle da costa sul separaria o resto da Ucrânia do mar e também criaria uma conexão direta entre a Crimeia, anexada à Rússia, e a região de Donbass, de língua russa.

Kherson é até agora a maior cidade a cair para as forças russas. Encontra-se no rio Dnieper, dando à Rússia acesso a canais críticos que fornecem água para a Crimeia.

Outra grande cidade portuária no sul é Mariupol, que tem uma população de 430.000 habitantes. Esta cidade também foi cercada pelas forças do presidente russo, Vladimir Putin, e está sendo bombardeada implacavelmente. A estratégia da Rússia é também tomar Mariupol para estabelecer uma ligação direta entre o leste da Ucrânia e a Crimeia, ambas já sob controle russo. A Crimeia foi anexada pela Rússia em 2014 e é onde Putin lançou grande parte dessa ofensiva no sul desde a semana passada.

Muitos agora estão olhando com preocupação para a cidade de Odesa, que é a terceira maior cidade da Ucrânia e o porto mais importante do país no Mar Negro. É considerado um importante terminal petrolífero. Uma cidade de um milhão de ucranianos, até agora escapou do pior dos combates, já que a Rússia não fez nenhum avanço significativo a oeste de Kherson.

Os acontecimentos no sul do país ocorrem quando o vice-primeiro-ministro da Ucrânia insistiu que a Otan é parcialmente responsável pelas mortes de civis ao se recusar a impor uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia.

Olha Stefanishyna disse: “É desumano saber que a população civil e as crianças serão mortas por não tomar essa decisão.

“O sangue desses civis – incluindo a mãe e o pai de duas crianças que nasceram ontem e hoje perderam seus pais em um bombardeio – não está apenas nas mãos dos russos”.

Stefanishyna se desculpou por não ter sido diplomática em sua escolha de linguagem, mas explicou que estava falando enquanto estava “sentada aqui em um abrigo antiaéreo”.

Até agora, os membros da Otan se recusaram a impor uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia devido a preocupações de que isso aumentaria o conflito e colocaria as forças ocidentais em combate direto com os russos.

Folha Gospel com informações de The Christian Today

Comentários