Wittenberg, cidade berço da reforma protestante, na Alemanha
Wittenberg, cidade berço da reforma protestante, na Alemanha

Embora a Alemanha seja o berço de Martinho Lutero e da Reforma Protestante, desde meados do século 20, o país tem visto uma dramática mudança para longe do protestantismo.

O declínio foi maior do que o que ocorreu entre os católicos. Nos últimos 60 anos, a parcela de protestantes “identificados” caiu 30 pontos percentuais, enquanto a parcela dos católicos caiu 7 pontos , segundo uma nova pesquisa da Pew Research.

Enquanto isso, tem havido uma crescente participação de religiosos não afiliados , que responderam por 30% dos alemães em 2010, em comparação a menos de 4% em 1950. Uma pesquisa recente do Pew também mostrou que a proporção de muçulmanos na Alemanha vem crescendo , em grande parte devido a imigração.

De acordo com uma pesquisa feita pelos estudiosos de religião e sociologia na Universidade de Münster, na Alemanha, Detlef Pollack e Olaf Müller, em 2013, “o declínio nacional dos protestantes alemães também é aparente ao olhar separadamente para a Alemanha Oriental e Ocidental (que reunificou em 1990) ”.

A Alemanha Oriental era predominantemente protestante quando o país foi formado em 1949, e seu declínio “é amplamente considerado como resultado da perseguição, repressão e marginalização da religião durante as quase quatro décadas de regime comunista”.

As razões dos declínios mais acentuados entre os protestantes na Alemanha Ocidental incluem “uma forte identidade católica forjada a partir de anos de existência como religião minoritária e diferenças doutrinárias sobre a salvação que tornam o envolvimento formal da igreja mais necessário para os católicos do que para os protestantes”.

Uma análise recente do Centro de Pesquisas Pew também confirma uma queda na participação de protestantes ‘autoidentificados’ na Alemanha.

Houve um declínio entre os adultos perguntados sobre sua atual denominação religiosa e a denominação em que foram criados: de 33% criados protestantes, 28% são atualmente protestantes.

Ao mesmo tempo, a parcela daqueles que dizem que são católicos permaneceu estável: 45% foram criados católicos e 43% atualmente se identificam como católicos.

De acordo com dados do Pew Research Center, protestantes e católicos na Alemanha seguem “crenças e comportamentos religiosos cristãos tradicionais” a taxas muito semelhantes: ambos dizem que raramente oram diariamente (7% dos católicos, 9% dos protestantes) ou acreditam em Deus com absoluta certeza (11% e 12%).

Além disso, os protestantes alemães “auto-identificados” são mais propensos do que seus colegas católicos a seguir as práticas e crenças do Leste ou da Nova Era.

Mais de 30% dos protestantes alemães acreditam em astrologia, enquanto apenas 23% dos católicos acreditam. Cerca de um quarto dos protestantes consultam o horóscopo, cartas de tarô ou cartomantes (23%), em comparação com 16% dos católicos.

A pesquisa não diz quantos desses protestantes alemães são evangélicos e em que eles acreditam especificamente.

O Pew Research Center realizou recentemente uma pesquisa em 15 países da Europa Ocidental, examinando “atitudes em relação ao nacionalismo, à imigração e às minorias religiosas através das lentes da afiliação religiosa e do compromisso ”.

A pesquisa descobriu que, na Alemanha, os católicos são mais propensos do que os protestantes a professar atitudes nacionalistas e expressar atitudes de minorias anti-imigrantes e anti-religiosas.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus